12/01/2021 – Como cuidar dos pets no calor

Se para nós, humanos, o calor intenso já traz forte mal-estar, as sensações ruins podem ser ainda maiores nos animais de estimação. Por conta disso, é essencial tomar alguns cuidados especiais com nossos pets neste período.

As altas temperaturas podem fazer com que cachorros e gatos fiquem desidratados, ofegantes ou que cheguem até a desmaiar. Para evitar situações desconfortáveis para o seu melhor amigo de quatro patas, conversamos com a veterinária Karoliny Iorgov e listamos algumas dicas e cuidados para seguir nos meses mais quentes. Confira!

1. Hidratação

Beber bastante água nos dias quentes não é uma recomendação que vale só para nós, humanos, mas também para os nossos animais de estimação. É fundamental que os pets se mantenham hidratados durante o dia para repor o que foi perdido por meio da transpiração. Para isso, segundo Iorgov, é necessário espalhar diversos potes de água pela casa.

2. Exposição solar e hora do passeio

A exposição solar é outro fator que exige muito cuidado nos dias quentes. De acordo com a veterinária, alguns animais precisam utilizar filtro solar. Portanto, é importante conversar com um veterinário para saber se o seu pet faz parte desta lista e entender qual é o produto mais aconselhado. Em geral, os cães brancos com focinho rosado necessitam de bastante filtro solar nestes dias.

Apesar de ser um momento relaxante e muito importante para a saúde dos pets, é preciso se atentar também com a hora dos passeios nos dias quentes. Para evitar que os cachorros sejam fortemente expostos ao sol, os horários mais recomendados para levá-los para passear são, de manhã, das 7h às 9h, ou a tarde, das 16h às 19h. Mesmo seguindo estes horários, que são mais frescos, ainda é importante checar se o chão está com uma temperatura confortável. “Se você acha que seria ruim para você andar sem calçado, jamais leve seu pet. Eles são muito mais sensíveis que os humanos”, explica a veterinária.

Nesta hora, os cuidados devem ser ainda maiores com animais braquicefálicos, como os pugs, bulldogs, shih tzu ou pequinês, por exemplo. Estas raças possuem uma tendência maior a desenvolver problemas respiratórios e, por conta disso, o passeio pode não ser recomendado em dias quentes. Se o seu melhor amigo de quatro patas é de uma destas raças, é importante levá-lo ao veterinário para saber se há alguma restrição.

3. Alimentação

Se nós preferimos alimentos mais frescos no calor, já dá para esperar que nossos animais de estimação também possuem este mesmo desejo. Além da alimentação habitual, alimentos refrescantes, como cenoura, maçã, melancia e melão também são aconselhados. Para os gatos, a ração úmida é uma ótima opção em temperaturas mais altas.

Algumas frutas, que costumam ser bem refrescantes, podem ajudar a manter a alta imunidade nos animais, mas é importante que os donos tomem alguns cuidados para não alimentar os pets com alimentos que podem trazer danos à saúde. As frutas cítricas e o caqui, por exemplo, podem causar irritação no estômago dos pets. Já as uvas são tóxicas para os animais e podem causar lesões renais. Além disso, o abacate pode causar vômitos e a cereja pode conter cianeto e prejudicar o transporte de oxigênio celular. Por fim, as bananas são bastante calóricas. Por conta disso, deve-se manter um consumo moderado para que os animais não sofram com obesidade ou diabetes.

Fonte: Casa Vogue

21/12/2020 – 21 de Dezembro: Começa o verão no Rio de Janeiro

Com o início da estação mais quente, o Corpo de Bombeiros também inicia a Operação Verão para garantir segurança dos banhistas

Nesta segunda-feira (21/12), começa a estação mais quente do ano. No Rio de Janeiro, que já costuma ter temperaturas altas, o verão é marcado pelo intenso calor e pelas praias lotadas. Entretanto, devido às medidas de distanciamento para prevenir o contágio do novo coronavírus, a estação tem algumas medidas diferentes neste ano, como por exemplo a proibição de estacionamento na orla.

Mesmo com o aumento no número de casos e de mortes por Covid-19, o fim de semana teve praias lotadas. Muitos banhistas decidiram ir à praia de carro e desrespeitaram a proibição de estacionamento na orla. Segundo a Guarda Municipal, 690 multas foram aplicadas em dois dias na orla das zonas Sul e Oeste da cidade, sendo a maioria por estacionamento irregular em local proibido. Só neste domingo (20/12), foram 480 multas.

Além disso, desde o dia 5 de junho, foram registradas 10.019 infrações sanitárias durante as ações de fiscalização voltadas ao enfrentamento da pandemia da Covid-19. Desse total, 8.256 notificações foram pela falta do uso de máscara e 618 por aglomeração em estabelecimentos comerciais, incluindo filas e vias públicas.

Com a chegada da estação, também tem início a Operação Verão, realizada pelo Corpo de Bombeiros. A corporação vai reforçar o número de agentes e equipamentos nas praias de todo o estado para garantir a segurança dos banhistas e evitar afogamentos.

Confira abaixo algumas recomendações dos bombeiros:

  • Procurar sempre locais próximos aos postos de guarda-vidas;
  • Respeitar a sinalização:
  • Perguntar ao guarda-vidas qual o melhor local para entrar no mar;
  • Não ingerir bebidas alcoólicas antes de entrar no mar;
  • Evitar entrar na água logo após se alimentar;
  • Não entrar no mar após longa exposição ao sol, sem antes se adaptar à temperatura da água;
  • Não desviar a atenção das crianças e identificá-las com nome e telefone para contato;
  • Evitar locais de surfistas para prevenir acidentes com pranchas.

Fonte: Diário do Rio

02/12/2020 – 4 dicas para o jardim durante o verão

Alguns cuidados com o jardim precisam ser feitos durante o período do verão, para que ele fique bonito e principalmente saudável, e também para evitar que as plantas morram. Pensando nisso, seguem 4 dicas simples e fáceis para que você consiga deixar o seu jardim colorido, verde, bonito e bastante saudável, e também para que ele sobreviva a estação mais quente do ano.

Regar sempre com moderação

Vale lembrar que não é porque é o dia mais quente significa que seja um dia seco. Existem regiões onde chove muito no verão, e é por isso que é preciso ter cuidado com as regas. Nesse caso onde cidades que acabam tendo muitas chuvas, as regas podem ser feitas mais espaçadas, pois o excesso de água na planta pode fazer com que a raiz apodreça, ou facilita o surgimento de fungos.

Nas regiões realmente mais secas, opte por fazer a rega quando o sol estiver mais ameno, como por exemplo, nas primeiras horas da manhã, ou até mesmo no fim da tarde.

Se você regar o seu jardim num horário em que o sol esteja alto, pode ocorrer queimaduras nas plantas, ou, devido à alta temperatura, a água evaporar antes mesmo de chegar nas raízes.

Uma dica para saber quando as plantas precisam de água, apalpe o solo e sinta a terra, se ela estiver úmida, significa que não precisa ser regada, pois já estão hidratadas. Apenas molhe o seu jardim se ele estiver com o solo quente, ou muito seco.

Elimine os galhos secos

Além de darem a aparência de descuido e abandono, os galhos secos podem ser prejudiciais para o crescimento das plantas, pois os nutrientes não conseguirão ser absorvidos e distribuídos de forma adequada para os galhos, que precisam crescer.

Sem contar que se estiverem muito perto da terra, as folhas secas e galhos acabam bloqueando a entrada de ar e dificulta também a absorção da água no solo.

As pragas e os cuidados com o jardim

O verão tem a fama de ser a estação preferida das pragas, insetos e bactérias nos jardins. Por isso, é muito importante ficar atento as suas plantas, para evitar que qualquer dessas pragas e novas espécies tomem conta do seu jardim.

Quantidade de exposição ao sol, cuidados com a rega, e também com os adubos são essenciais para impedir que as pragas apareçam. Mas caso ainda assim, elas surjam, a primeira coisa a se fazer é a poda de limpeza. Retirar os galhos contaminados é primordial para que o restante da planta não seja afetado, e possa continuar saudável.

Existem produtos naturais que combatem certos tipos de pragas, como a calda de fumo, se a infestação ainda estiver no começo. Mas se o seu jardim precisar de pulverização, é recomendado que contrate profissionais especializados, para que você tenha certeza do produto e da qualidade do serviço, já que o mesmo saberá exatamente qual é o produto mais adequado para cuidar do seu jardim em cada situação.

Adubo para as plantas crescerem

Depois do período frio do inverno, o jardim desperta na primavera, e fica exuberante no verão, metabolizando e absorvendo os nutrientes existentes no solo de forma bem rápida. É por isso que o adubo é importante no verão.

Mas antes do adubo, é importante falar da aeração do solo, que é o processo de afofar a terra, para que ela consiga respirar. Esse é o momento exato para tirar os torrões de terra seca e ervas daninhas, para que a planta consiga receber o fertilizante ou o adubo.

E aí, gostou das nossas dicas de cuidados com o jardim durante o verão? Aproveite o tempo que estiver em casa, e deixe-a mais harmoniosa, capriche no seu jardim!

Fonte: Viva o Condomínio

13/01/2020 – A implantação de energia solar em condomínios vale a pena?

 

Hoje é possível instalar placas fotovoltaicas em seu condomínio e produzir energia solar que será abatida da conta de luz. E isso pode até gerar lucro.

 

 

A utilização de energia solar está em crescimento constante. Dentre todas as energias alternativas, esta é a que recebe mais investimento em desenvolvimento todos os anos. Cerca de 185 milhões de placas solares foram instalados no mundo entre 2014 e 2015, e o que era antes concentrado em países ricos, hoje está atendendo a demanda de países em desenvolvimento. Essa energia é considerada limpa, pois é uma técnica de neutralização de carbono, é praticamente inesgotável, acessível para os consumidores e apresenta um boa relação custo/benefício.

 

A aplicação residencial também está se tornando mais comum, depois da resolução da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) 482/2012 sobre a energia solar distribuída. O brasileiro pode gerar sua própria energia elétrica de fontes renováveis ou de cogeração qualificada, além de receber créditos sobre o excedente produzido – essa produção é chamada de microgeração (inferior a 75 kW) e de minigeração (superior a 75 kW) distribuída. Isso incentivou o investimento de residências em painéis fotovoltaicos, pois proporcionam independência energética, causam menos impactos no meio ambiente e podem até gerar lucros. Além de gerar energia elétrica, as placas solares podem servir para o aquecimento de água, o que também traz uma economia de eletricidade ou gás.

 

Mas é possível instalar um sistema fotovoltaico em prédios?

 

Sim, hoje é possível tornar seu condomínio mais sustentável utilizando energia solar por meio da geração compartilhada estipulada pela resolução 687/2015 da Aneel. Essa geração compartilhada é realizada por múltiplas unidades consumidoras, como é o caso dos condomínios. A energia elétrica gerada será compartilhada entre todos os apartamentos e também nas áreas comuns.

Vamos entender melhor como funciona a instalação de placas solares para geração de energia elétrica…

Uma empresa especializada irá analisar a viabilidade do caso e propor um projeto com um sistema de energia solar personalizado, no caso, para seu condomínio. É necessário toda uma documentação junto com a distribuidora de energia e sua aprovação. Após, é possível a instalação dos coletores solares e o início da geração de energia pronta para utilização; de noite, o usuário deve consumir a energia da concessionária, já que não há sol.

Entretanto, no caso da energia injetada na rede ser maior que a energia consumida, o gerador recebe tal crédito que pode ser utilizado para abater da própria conta do fim do mês ou da conta de outro local; por exemplo: a casa de um familiar (estando no mesmo estado), gerando lucros ao usuário. Portanto, além de diminuir os gastos com a energia vinda da concessionária, caso a produção dos painéis seja maior que o consumo do local, os moradores podem ganhar créditos.

 

Existem algumas opções de locais para instalação:

 

Os telhados de cada prédio são os locais mais indicados, pois recebem mais radiação solar. Mas se a área destinada à instalação for pequena, o projeto pode não ser viável; ou caso seu condomínio tenha uma grande área externa, instale nas áreas comuns. Existe ainda a opção de instalação das placas nas fachadas dos prédios, porém ainda não é tão usual. O tamanho do espaço de instalação irá interferir na quantidade de energia gerada, mas mesmo em áreas pequenas, haverá como reduzir a conta de luz dos meses subsequentes.

Se problemas como falta de espaço, baixo índice de radiação solar ou quaisquer outros inviabilizarem o projeto, não se preocupe. Existe outra solução que estará disponível em um futuro próximo.

Hoje existem os chamados condomínios solares, que são grandes áreas contendo diversos painéis fotovoltaicos, parecidas com a da foto abaixo:

 

 

 

Alguns desses condomínios solares já estão em funcionamento, principalmente no Nordeste e no Sudeste – outros projetos são planejados para outras regiões. O seu condomínio pode comprar ou alugar lotes de placas fotovoltaicas. O princípio funciona como já explicado anteriormente: a energia produzida pelo seu lote vai para a rede de distribuição e essa energia será compartilhada com o proprietário do lote. Porém, a Aneel só permite ao consumidor utilizar esses créditos de energia dentro da mesma área de concessão, ou seja, no mesmo estado que seu lote se encontra.

Assim com essa nova alteração na legislação, a instalação de um sistema de energia solar em condomínios ficou mais fácil e pode trazer lucro para os geradores. A economia na conta de luz pode ser revertida em melhorias no condomínio, além de valorizar o imóvel.

 

Via: Viva o condomínio

09/01/2020 – Dengue no condomínio: como evitar a proliferação do mosquito?

Os condomínios são ambientes que atraem o mosquito da Dengue, pois concentram grande número de pessoas com muitos esconderijos, o que ele adora! Então, confira dicas bem práticas para eliminar o mosquito.

 

Os condomínios são ambientes que atraem muito o mosquito da Dengue, pois concentram grande número de pessoas com muitos esconderijos, o que ele adora! Além do mobiliário de seus frequentadores, lajes, ralos, casas de bombas, barriletes, e fosso de elevador, estão entre os locais preferidos para o mosquito depositar seus ovos. Segundo dados recentes da Funasa (Fundação Nacional de Saúde), 90% dos focos de dengue são encontrados dentro de casas e condomínios.

 

Sendo assim, se você quer saber como evitar o mosquito da dengue nos condomínios, nós separamos algumas dicas bem práticas para tornar essa missão ainda mais eficiente. Confira:

 

Como evitar o mosquito da Dengue nos condomínios

 

Claro que é de responsabilidade do síndico do condomínio manter a organização e segurança do ambiente, mas é dever de todos participar. Especialmente quando se trata de prevenir a Dengue, todos devem entrar em ação! Então, aí vai uma listinha de coisas que todos podem fazer para manter o condomínio livre do mosquito:

Evitar o acúmulo de água nos jardins, em bromélias e troncos, e áreas de lazer, com atenção especial ao mobiliário da piscina e fontes ou espelhos d’água;

 

Manter a caixa d’água vedada (isso é mais que tampada!), e colocar tela no ladrão (cano para extravasar a água);

 

Realizar o tratamento adequado das piscinas;

 

Manter as calhas limpas para prevenir o acúmulo de água.

 

Verificar semanalmente a existência de acúmulos de água no fosso do elevador

 

Verificar semanalmente a tubulação de drenagem do térreo para constatar que ela não retém água;

 

Ficar atento à coleta de lixo e também evitar entulho parado;

 

Mobilizar o seu condomínio e conscientizar vizinhos, seja colocando cartazes no mural de avisos e no elevador, como levando o tema para a reunião do condomínio, realizando mutirão contra o Aedes.

 

Para aqueles criadouros que não podemos ou não queremos eliminar, como pratos de plantas ornamentais, ralos com pouco uso e bebedouros, é fundamental realizar o tratamento.

 

Como evitar a Dengue dentro do apartamento

 

Os cuidados com a Dengue não podem ficar apenas concentrados nas áreas comuns do condomínio. É importante cuidar para que todas as unidades estejam protegidas. Os principais pontos de atenção são:

 

  • Ralos com pouco uso
  • Vasos sanitários com pouco uso
  • Bandejas de ar condicionado
  • Bandeja da geladeira frost free e filtro d’água
  • Trilho do box do banheiro
  • Pratos de vasos de planta
  • Vasos de flor de corte, como bambuzinho

Você pode verificar todos estes locais semanalmente ou, se quiser mais praticidade, colocar ½ tablete de DengueTech para pontos que acumulam até 5L de água.

 

Todo cuidado é pouco

 

A Dengue é uma doença muito séria e que merece muita atenção e tratamento adequado, com acompanhamento médico sempre. Se não for bem tratada, pode gerar diversas sequelas e até mesmo levar à morte. Então, é preciso ficar atento a qualquer sinal de alerta de contágio. Se você ainda não sabe, entre os principais sintomas da doença, estão:

  • Febre alta
  • Dores de cabeça
  • Manchas avermelhadas pelo corpo
  • Indisposição
  • Vômito

 

Fonte: Denguetech