15/01/2020 – Perfil dos porteiros: síndico deve estar atento na hora de contratar

Há muito tempo já não vemos mais aquele típico perfil dos porteiros de novela em condomínios: uma pessoa idosa, de cabelo grisalho e com dificuldades de interatividade com a internet. Com o avanço da tecnologia, esses profissionais passaram a buscar cada vez mais cursos de aperfeiçoamento com o objetivo de se adequar seja para continuar no emprego, ou retornar ao mercado de trabalho.

 

A característica desse “novo” profissional é estar mais preparado tecnologicamente, possuir conhecimento em diversos assuntos relacionados ao dia a dia do condomínio e, ainda, ser prestativo e comunicativo com os moradores. Por causa de sua grande responsabilidade o síndico, ou a administradora do condomínio precisa estar atento na hora da contratação desse profissional.

 

Confira algumas dicas na hora de contratar um porteiro:

 

Defina o perfil dos porteiros

 

O primeiro passo na hora de contratar um novo porteiro é definir o perfil que se almeja desse profissional. De nada adianta o síndico contratar um porteiro com dificuldades em tecnologia se a portaria do condomínio for toda eletrônica. Portanto, uma boa ideia seria convocar uma reunião para definir as exigências e as necessidades desse novo profissional.

 

Analise a experiência do candidato

 

Definido o perfil do profissional que será contratado, observar o tempo de experiência do candidato como porteiro poderá ser um diferencial. Atente-se para o tempo de permanência em empregos anteriores e questione o candidato sobre os motivos de saída. Se achar necessário, ligue para o antigo local de trabalho do pretendente.

 

Entreviste os candidatos

 

Lembre-se que quem está sendo entrevistado é a pessoa que está buscando a vaga. Portanto, apenas comande a entrevista. Escute mais do que fale e procure elaborar perguntas abertas para que ela possa se expressar. Dessa forma você poderá conhecer melhor o candidato. Em determinado momento da entrevista, procure ser direto, faça questões pessoais, de forma sutil, como por exemplo, sobre questões familiares. Essa é uma boa estratégia para compreender as necessidades e características dos candidatos.

 

Realize testes

 

Existem testes psicológicos que ajudam na identificação das características dos candidatos. Por meio desses exames é possível identificar algum desvio de perfil do profissional para a vaga, o que pode comprometer o desempenho do porteiro para as atividades na função. Para esse tipo de atividade recomenda-se a contratação de um especialista, que será responsável por analisar os resultados obtidos nos testes. Os exames mais comuns durante um período de seleção são:

 

Teste de personalidade

Esse teste tem a finalidade de traçar a personalidade do indivíduo para entender o seu comportamento.

 

Teste de raciocínio lógico

Tem por objetivo avaliar a capacidade cognitiva do candidato por meio de testes práticos e teóricos.

 

Teste de ação concentrada

A principal característica desse exame é medir a concentração do candidato durante um período pré-determinado.

 

Contratação de novo perfil dos porteiros exige planejamento

 

Como se vê, a contratação de um novo porteiro para o condomínio exige planejamento e merece atenção por parte do síndico. Um bom porteiro representa os primeiros olhos do ambiente e precisa ser um profissional de confiança do empreendimento. Sendo assim, os funcionários da portaria são de extrema importância e precisam ser bem escolhidos.

 

Fonte: Viva o condomínio

02/01/2020 – Condomínios: férias exigem um up de segurança

Nas festas e férias de fim de ano, as garagens vazias dos condomínios denunciam a ausência dos moradores.

Há quem emende o Natal só volte para casa no fim de janeiro, outros saem depois, mas voltam só depois do Carnaval. Seja como for, planejar essa ausência é tão importante quanto acertar o roteiro de viagem.

Seguradoras estimam que o número de vazamentos e problemas elétricos aumente até 25%, nesta época do ano, porque as pessoas saem de casa sem fazer a manutenção ou desligar sistemas com risco de curto circuito. Há também o aumento do volume de invasores que podem vandalizar o imóvel e roubar objetos e dinheiro da família ausente. Na dúvida, mantenha o pagamento do seguro, em dia.

Para evitar transtornos, quem mora em uma casa ou sobrado deve ficar atento a regras simples de segurança patrimonial que ajudam a disfarçar a temporada fora de casa. A primeira dica é manter a campainha desligada, porque pessoas mal intencionadas podem usá-la para checar se há pessoas na casa. Luzes acesas o dia todo são uma evidência de casa vazia, então, se não puder contar com temporizadores ou sensores programados de acendimento de luzes externas, peça ajuda de um parente ou vizinho de confiança. A mesma pessoa pode recolher a correspondência e manter a frente da casa em ordem.

Alarmes e sensores de movimento devem ser testados antes de sair de férias. Outra medida preventiva é desligar aparelhos elétricos e eletrônicos da tomada, checar se não há vazamentos (pode-se fechar o registro de água e o de gás), verificar trancas e travas nas portas e janelas. Caso prefira, deixe alguém “morando” na residência até a volta da família.

No condomínio

Também no fim de ano, a movimentação de entrada de pessoas e encomendas nas portarias de prédios e condomínios horizontais aumenta bastante. Há gente nova, familiares e hóspedes dos moradores. Ao mesmo tempo, boa parte dos moradores está fora e, nesse vai e vem de visitantes, há o aumento do risco de invasão de uma ou outra unidade por pessoas que aproveitam a distração dos porteiros ou má fé de funcionários das unidades ou do próprio condomínio.

Especialista em condomínios, Amilton Saraiva afirma que é necessário cuidado redobrado com a entrada de pessoas na portaria. “Os que receberão amigos e familiares em casa devem entregar uma lista na portaria com os nomes, para que sejam melhores identificados, e mesmo assim, quando chegarem devem ser anunciados pelo porteiro”, afirma.

Saraiva destaca ainda que os entregadores não podem ter acesso à área interna se o morador não estiver ou não autorizar.Orientar essa movimentação cabe aos profissionais de portarias que devem estar mais atentos e ser ágeis para impedir que a grande movimentação se torne um risco para o condomínio.

Seja discreto

Uma orientação que cabe à todos, inclusive quem mora me imóveis fora dos condomínios, é manter a discrição. Mantenha a privacidade sobre os detalhes da viagem: local, data de saída ou chegada. A justificativa é que esse tipo de informação pode vazar seja por um comentário de vizinhos ou funcionários da residência. Eles podem, inocentemente, comentar com alguém de fora que pode não ser uma pessoa bem intencionada.

Para quem mora em condomínios, as providências de segurança são as mesmas da residência, mas também é importante avisar o zelador previamente informado e o condômino também deve fazer uma autorização, caso queira que alguma pessoa, ou empregado entre no apartamento ou casa durante a ausência.

Gente de confiança

O profissional de portaria mais antigo conhece a rotina do condomínio e certamente notará a ausência de algum morador, mas um temporário não. Por isso, é recomendável que os porteiros sejam contratados através de empresa terceirizada confiável, que ofereça um treinamento especializado de atendimento, discrição e segurança preventiva.

Saraiva diz ainda que a empresa especializada nesse tipo de mão de obra leva essa particularidade em conta e só vai contratar um substituto depois de verificar o histórico profissional e pessoal do porteiro, inclusive os antecedentes criminais, conduta e indicação. Assim, diminui-se o risco de que uma pessoa com falsas referências seja contratada .

ANTECIPE OS PRINCIPAIS ERROS DE CONDUTA

O aumento no número de assaltos a condomínios e a criatividade dos bandidos têm desafiado não apenas as autoridades, mas quem administra ou guarda residências e condomínios. Para Newton Nunes, diretor de Condomínios, o disfarce tem se tornado uma estratégia frequente. O bandido veste o uniforme de funcionário do condomínio ou de alguma empresa prestadora de serviço, pode se transfigurar de entregador, e vai buscar o acesso mais fácil aos apartamentos. Entregadores de gás, encanadores e até funcionários de organizações de caridade são personagens utilizados, revela. “Orientamos os porteiros sobre a importância de cobrar identificação de todos os entregadores e mensageiros antes de abrir o portão. O responsável pela segurança jamais pode permitir a entrada de desconhecidos antes de pedir autorização para o morador”, explica.

Para facilitar a organização na portaria, Nunes orienta os porteiros para que conheçam todos os moradores e que, quando outras pessoas circularem no condomínio, sejam primeiro liberadas pelos moradores, depois os nomes e documentos de identidade devem ser anotados em um caderno. Isso vale até para qualquer entregador ou profissional que terá acesso ao apartamento. Pode-se até exigir a apresentação do RG.

Os profissionais trabalhando temporariamente no prédio (instaladores, operários, eletricistas, etc.) devem ser identificados e acompanhados por pessoas de confiança, como o zelador ou moradores.

“Os porteiros não devem assumir o papel de herói porque colocam a vida em risco e podem prejudicar mais ainda a segurança dos moradores. Eles devem ter acesso a um telefone para acionar a polícia via 190 ou o sistema de segurança do condomínio”.

Fonte: Viva o Condomínio