06/07/2020 – Quarentena no condomínio: Como cuidar da manutenção

Nesta quarentena, as obras em condomínios estão suspensas, porém, é preciso uma continuidade das manutenções importantes e emergenciais, devendo postergar apenas as não prioritárias. As reparações diárias, como a limpeza, não só devem continuar, como devem ser ampliadas.

Vale ressaltar, que as manutenções diárias, como a limpeza, não só devem continuar, mas devem ser ampliadas.

Veja a seguir como diferenciar uma manutenção emergencial e como funcionários e os profissionais terceirizados devem agir no condomínio de forma segura.

 

Na quarentena, só deve ser realizada manutenção emergencial?

A manutenção emergencial é aquela que não pode esperar, pois traz dano ao imóvel e coloca em risco a segurança dos usuários.

Entram nesse perfil obras relacionadas a vazamento de água, gás, elétrica e elevadores, entre outros. O que é importante precisa ser efetuado. Não é possível deixar de fazer os procedimentos de manutenção, principalmente os de caráter emergencial.

O que não for importante ou estiver relacionado à melhoria dos ambientes deve ser adiado.

 

Obras durante o período de quarentena no condomínio

Em relação às obras, segue a regra de que só deve fazer aquelas emergenciais e que comprometam o bem comum. As obras que não têm emergência devem ser suspensas, sejam elas da área comum ou das unidades.

Até as obras dos apartamentos que não estejam enquadradas como emergenciais devem ser bloqueadas pelo síndico, inclusive, amparada pelo Projeto de Lei 1179/2020.

As manutenções preventivas para o elevador, gerador, entre outros não pode esperar, pois afetam diretamente o funcionamento adequado do condomínio e pode colocar em risco a segurança de todos. E devem ser feitas com a ajuda de profissionais especializados e, claro, estes devem seguir todas as regras para prevenção ao Covid-19.

 

Manutenção do elevador

A manutenção dos elevadores, sem dúvida, é uma das obras que deve ser considerada de emergência durante o período de quarentena nos condomínios. Além da desinfecção, que deve ser constante, a manutenção desse equipamento não pode parar, pois se enquadra no rol dos serviços essenciais e não estão em quarentena.

O SECIESP, Sindicato das Empresas de Conservação, Manutenção e Instalação de Elevadores do Estado de São Paulo, em conjunto com a ABEEL, Associação Brasileira das Empresas de Elevadores, elaboraram uma cartilha com dicas de uso dos elevadores nas edificações como medidas preventivas à pandemia do Coronavírus.

 

Limpeza na quarentena

A limpeza deve ser intensificada no período de quarentena.

Um dos pontos de maior atenção no que diz respeito à manutenção é a limpeza e higienização das áreas comuns, principalmente nas áreas de acessos diários dos moradores como portões de entrada do edifício, acesso as garagens, elevadores, halls dos andares, maçanetas, além dos corrimãos. Outro ponto importante é a disponibilidade de álcool gel nas áreas de circulação.

Outra medida que pode ser adotada, visando evitar ao máximo a circulação de pessoas pelo condomínio, diz respeito a coleta do lixo. Em muitos casos o recolhimento era de responsabilidade do próprio condômino, mas em alguns condomínios, passou a ser realizada pelos funcionários em horário pré-determinado. Assim, apenas as pessoas devidamente equipadas circulam pelo condomínio diminuindo ou evitando qualquer tipo de contágio.

 

Cuidados com funcionários e prestadores de serviços

Caso a obra seja considerada emergencial e tenha mesmo que acontecer é necessário que os profissionais do condomínio ou terceirizados sigam orientações e cuidados para que evitar a contaminação das pessoas e para a própria segurança.

Entre as orientações sugeridas pela Coordenadoria de Vigilância em Saúde, da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo estão:

 

-Utilização EPIs, equipamento de proteção individual, como máscaras e luvas;

-Disponibilizar para uso dos funcionários local para lavagem frequente das mãos com sabonete líquido e toalhas de papel descartável;

-Disponibilizar álcool gel para uso dos funcionários em pontos estratégicos de fácil acesso;

-Desinfetar equipamentos;

-Manter a ventilação natural do ambiente de trabalho sempre que possível.

 

Todas essas orientações devem ser seguidas não só na manutenção do condomínio, mas também nas unidades de cada condômino. A mudança de hábitos e a adoção desses cuidados mínimos podem ajudar na contenção da pandemia e manter a saúde de todos que, por conta da atividade, muitas vezes, não podem se manter em casa, em isolamento social.

Fonte: Viva o Condomínio

02/06/2020 – Cuidados essenciais no Condomínio durante Pandemia

Técnico em manutenção sugere que síndicos façam um ‘checklist’ para verificar equipamentos, como bombas e elevadores, e as principais instalações dos prédios.

Com o objetivo de diminuir o avanço do coronavírus, muitos condomínios do Rio fecharam suas áreas de uso comum. Entretanto, não é aconselhado um abandono de cuidado com elas ou com instalações que ficam isoladas, como bombas e instalações de gás.

Depois de mais de dois meses fechadas é preciso ficar atento à manutenção para evitar problemas ainda maiores.

Mesmo com fluxo menor de moradores no prédio, alguns equipamentos requerem cuidados específicos, como destaca o gerente de negócios, Alan Galvão.

“Muitos equipamentos, quando permanecem fora de uso, se deterioram e podem ficar danificados a ponto de terem que ser substituídos”, explica Galvão.

Galvão lembra que peças como bombas de piscina, maquinário das saunas, esteiras, geradores e aparelhos de ar-condicionado, mesmo que não estejam sendo utilizados, precisam ser ligados de vez em quando.

Já a gerente de condomínios Arlete Fernandes, diz que a última orientação que passou aos síndicos foi a suspender qualquer obra que não seja emergencial.

“Os síndicos dos 40 prédios que administro estão bem tranquilos e conscientes. Fecharam os espaços de lazer, como piscinas que foram tratadas e cobertas. E os porteiros-chefes e zeladores ficam encarregados de colocar equipamentos, como os aparelhos de ar-condicionado dos salões de festa para funcionar durante 15 minutos diariamente. Todo mundo está muito atento aos cuidados com os equipamentos, até porque as empresas de manutenção também reduziram o ritmo de trabalho por causa do coronavírus”, disse Arlete.

Para que nenhum cantinho do condomínio seja esquecido durante o isolamento social, o especialista em manutenção Jorge Santos sugere que síndicos façam um ‘checklist’ para verificar equipamentos e as principais instalações dos prédios.

Confira abaixo o que merece atenção especial:

Gás – os casos de vazamento acontecem, em geral, nas áreas privativas;

Elevador – além da atenção em relação à limpeza e à desinfecção de painéis e botões, também deve ser feita a manutenção dos componentes elétricos e mecânicos;

Combate a incêndio – a validade de extintores e mangueiras deve ser sempre verificada;

Gerador de energia – também merece cuidado, pois deve atender o condomínio de forma contínua e eficaz, sem interrupções;

Portões, alarmes e circuito fechado de TV – equipamentos essenciais precisam estar sempre em dia para não comprometer a segurança do condomínio;

Caixas de gordura e esgoto – a limpeza deve ser intensificada já que as pessoas estão por mais tempo em casa, o que aumenta os resíduos;

Limpeza de reservatório de água – é importante a verificação da vedação das tampas das caixas d’água e cisterna para evitar a entrada de sujeira ou insetos que contaminem a água;

Bombas – fazer o revezamento garante o abastecimento dos reservatórios e cisternas até os pontos de consumo, evita alagamentos de garagens pelo lençol freático, elimina vazamento de esgoto e proliferação de insetos;

Manutenção das válvulas redutoras de pressão – dispositivo que regula a pressão d’água nas tubulações hidráulicas e elimina a possibilidade de vazamento ou rompimento por alta pressão.

 

Manutenção de elevadores e jardins

 

A síndica Patrícia Faria, do Edifício Presidente Penna, em Copacabana, na Zona Sul do Rio, pensou em manter o elevador de serviço desligado para reduzir custos, mas a medida não deu certo.

 

“Os elevadores são muito antigos e começaram a dar problema. O elevador de serviço era desligado às 22h e religado às 6h. Só que na hora de religar, ele dava defeito e tinha de chamar a manutenção. Percebemos que era melhor deixá-lo ligado do que ter aquele entra e sai de técnicos circulando pelo prédio, nesse momento de isolamento social”, disse Patrícia, que diz que desde o início da pandemia higieniza até as bolsas dos entregadores para evitar o contágio no prédio.

 

No Edifício Garanhuns, em Laranjeiras, também na Zona Sul, a síndica Adriana Lorete suspendeu as obras que estavam previstas na cisterna e na tubulação de esgoto, na garagem. O parquinho para as crianças foi fechado, mas ela manteve a manutenção do jardim.

 

“Não é um serviço essencial, mas tem uma senhora que desce todos os dias para pegar sol. Outros moradores passeiam com o cachorro em horários diferentes, então mantivemos o jardineiro, que mantém a área limpa e cuidada. Não dispensamos nenhum funcionário, até porque o trabalho aumentou. Todos os dias os corredores, os faxineiros passam pano com água sanitária e borrifam álcool nos três elevadores, na escadaria da entrada, no hall e corredores e escadas dos 13 andares do prédio”, disse Adriana, que fez uma escala de 12 horas de serviço por 36 horas de descanso para que eles não precisem trabalhar diariamente.

 

Além da distribuição de Equipamentos de Proteção Individual para os funcionários do condomínio e da disponibilização de álcool 70° e em gel na portaria e nos acessos ao prédio, tanto Patrícia quanto Adriana tiveram de aprender a lidar com problemas que surgiram após a quarentena.

 

Como os restaurantes das ruas próximas ao prédio de Patrícia fecharam, os ratos passaram a invadir a lixeira do edifício, em busca de comida. Ela teve de providenciar serviços de dedetização e desratização de emergência. A pandemia também trouxe outro tipo de inconveniente para a portaria.

 

“Aqui em Copacabana tem muito botequinho funcionando e parece que as pessoas estão bebendo mais. As brigas aqui nas redondezas aumentaram e a gente teve de contratar um vigia para evitar as arruaças e aglomerações aqui na porta”, contou Patrícia.

 

No Garanhuns, Adriana usou da criatividade para evitar a entrada de entregadores. As encomendas já pagas pela internet são recebidas pelo porteiro – de luvas e máscara – e colocadas numa mesinha de armar instalada num dos três elevadores. No caso de entregas mais volumosas, de supermercados, o porteiro pega as encomendas num carrinho que fica na garagem e despacha pelo elevador.

 

“O elevador também funcionava como quadro de aviso, onde os moradores eram informados sobre o que acontecia no condomínio. Como agora a frequência no elevador é bem menor, criei um grupo do condomínio no Whatsapp e todo mundo é informado sem precisar correr riscos”, conclui Adriana.

 

Fonte: G1

03/05/2020 – Pesquisa on-line avalia impacto da COVID-19 na saúde mental dos brasileiros

Questionário elaborado por portal de psicólogos mapeia como a pandemia vem afetando a saúde mental, emoções e atitudes dos brasileiros. Ele avalia indicadores de ansiedade e depressão, adesão ao isolamento, consumo de notícias sobre a COVID-19 e expectativas sobre o presente e futuro. Mais de 1500 já participaram. Os primeiros resultados serão divulgados em 25 de Maio.

 

Entender os impactos da pandemia sobre a saúde mental é importante para que a sociedade repense suas prioridades, do ponto de vista emocional e das relações. Mudanças inesperadas de rotina, sensação de solidão, novos hábitos, instabilidade financeira, incerteza quanto ao futuro. A pandemia de COVID-19 e as medidas de isolamento social para contê-la vêm gerando preocupações com aspectos da vida que estão além da saúde física em si.

 

É razoável considerar que a saúde mental e emocional das pessoas tenha sido impactada pela pandemia, de alguma forma. Mas, em que medida isto aconteceu? Como as emoções, sentimentos e atitudes das pessoas foram afetadas? Para responder algumas dessas perguntas, o portal Nossos Psicólogos lançou a pesquisa on-line “COVID-19 e a Saúde Mental do Brasileiro”, elaborada para mapear como a pandemia afetou a visão das pessoas sobre suas vidas no presente e nas expectativas para o futuro, em comparação ao que eram antes do novo coronavírus. Até 04 de maio já haviam participado mais de 1500 brasileiros de 26 estados e mais 11 países. A pesquisa pode ser respondida em apenas 4 minutos, em rebrand.ly/cv19psi.

 

“A pesquisa avalia alguns indicadores ligados à ansiedade e depressão, como ânimo e disposição geral, irritabilidade, padrões alimentares, consumo de álcool, sentimentos mais comuns, entre outros, sempre considerando a forma como as pessoas se sentem atualmente em comparação a antes da pandemia”, explica Helder Conde, coidealizador do portal Nossos Psicólogos e um dos organizadores da pesquisa. “Algumas das perguntas são baseadas em outros questionários internacionais de avaliação de ansiedade e depressão, como o GAD-7 e o PHQ-9, elaborados por pesquisadores da Universidade de Columbia, em Nova Iorque.”, explica.

 

Além disso, a pesquisa também avalia a adesão das pessoas às medidas de isolamento social, a visão delas sobre a importância de acatar ou não estas medidas, a frequência no consumo de informações sobre a pandemia e de que forma os noticiários influenciaram nesta adesão.

 

“Frente à instabilidade trazida pela COVID-19, consideramos que seria importante perguntar também sobre as expectativas e o grau de otimismo das pessoas com relação ao futuro”, destaca Solange Maia, coidealizadora do portal e organizadora da pesquisa. Segundo ela, “os resultados preliminares já mostram que quase 85% das pessoas, das mais diferentes faixas etárias, consideram que a pandemia tem ou terá impacto razoável ou grande em suas vidas financeiras – o que pode gerar inseguranças, incertezas e mudanças efetivas de padrão de vida e comportamento, com impacto direto sobre a saúde mental e emocional.”

 

Segundo a Organização Mundial da Saúde, o Brasil ocupa a liderança mundial no ranking de ansiedade. Quando se fala em depressão, o país está entre os quatro com a maior incidência da doença – que é a principal causa de incapacidade no mundo, segundo a entidade. Pesquisadores da Universidade de Munique, na Alemanha, apontam a depressão como fator de risco importante para outros problemas de saúde também potencialmente graves, como as doenças cardiovasculares, diabetes, doença de Parkinson, câncer, além de aumentar a propensão ao abuso de substâncias (drogas e álcool) e estar intimamente relacionado aos casos de suicídio, para o qual o Brasil ocupa a 8ª posição mundial.

 

“Entender os impactos da pandemia sobre a saúde mental é importante para que a sociedade como um todo possa entender suas dores, medos, esperanças e possa repensar suas prioridades, inclusive do ponto de vista emocional e das relações humanas”, destaca Solange Maia. “Esperamos, com esta pesquisa, ajudar a mapear algumas destas questões e ter pistas de como o brasileiro vem lidando, do ponto de vista emocional, com esta nova realidade tão cheia de incertezas”, conclui.

 

Os primeiros resultados da pesquisa serão divulgados em 25 de maio, mas ela continuará ativa até que a OMS declare oficialmente o fim da pandemia causada pelo novo coronavírus.

 

Fonte: Portal Comunique-se

16/04/2020 – Confira os cuidados que devemos tomar ao pedir delivery

A vida em quarentena é cheia de novos desafios e aprendizados. Todos estão cozinhando mais e também pedindo mais delivery. No entanto, não basta apenas receber a comida pronta na porta de casa, há outros cuidados que precisam ser tomados para se prevenir do coronavírus.

 

1) Quando o entregador chegar, fique a pelo menos 1 metro de distância dele. Coloque uma cadeira na porta para ele apoiar ali a embalagem e explique que é uma medida de segurança.

 

2) Passe álcool gel na mão e no cartão depois de usar a maquininha. Se for usar cash, lave muito bem as mãos em seguida.

3) Não deixe que o cartão fique próximo do alimento na hora do pagamento.

 

4) Escolha um lugar para desembalar os produtos diferente do local onde irá se servir. Descarte a sacola externa e higienize a superfície onde vai colocar as embalagens com as comidas. Lave bem a mão antes de encostar nesta última.

 

5) Depois de organizar a mesa para a refeição, lave mais uma vez a mão e, pronto, pode comer.

 

FONTE: O GLOBO

12/02/2020 – Campanhas internas em condomínios

Presente em boa parte dos condomínios, as campanhas internas podem e devem ser consideradas um importante meio de comunicação entre síndico e condôminos. Elas servem como ferramenta essencial no trabalho de busca pela conscientização da comunidade condominial.

 

Em um condomínio, onde residem pessoas dos mais diferentes perfis, nem sempre há entendimento geral sobre questões que envolvam o regimento interno ou ações a serem tomadas. Para unificar esse entendimento e até aproximar as pessoas da realidade, as campanhas cumprem bem a função.

 

Contudo, para que a divulgação proposta na campanha interna aconteça de maneira eficaz, o envolvimento da comunidade condominial é essencial. Nesse ponto, entra o importante papel do síndico. Sua ação é determinante no alcance da conscientização desejada, que é conseguida somente com o atendimento de algumas tarefas básicas. Entre elas, vale destacar a definição clara sobre o foco da campanha, bem como os motivos para realizá-la. Tudo isso, dando aos condôminos o protagonismo para o sucesso de cada ação.

 

Outra atuação fundamental do síndico diz respeito à estruturação e preparação de cada campanha interna. É onde tudo começa. No caso de uma campanha de separação de lixo, por exemplo, estruturar quem buscará os lixos, ensinar os condôminos como realizar a separação e garantir local onde os lixos permanecem separados são alguns dos cuidados que devem ser tomados, de forma que a campanha seja bem sucedida. Sem essa etapa de preparação, nenhuma campanha terá o resultado desejado.

 

Outros tipos de campanhas

 

Entre os tipos de campanhas internas realizadas dentro dos condomínios, além da reciclagem de lixo, acima citada, temos aquelas ligadas diretamente à saúde, como as campanhas de vacinação. Essas, inclusive, têm se tornado uma tendência no universo condominial. As vantagens são para todos. O síndico traz essa comodidade para o condômino, ele se sente valorizado por essa iniciativa do síndico e da empresa envolvida nessa parceria. Os funcionários também engajam-se bastante nesse tipo de iniciativa e todos saem ganhando.

 

Outras campanhas internas muito comuns são aquelas envolvendo as questões sociais, como as campanhas de doação de agasalhos, brinquedos e alimentos, entre outras. Nesses modelos, a coletividade pensa para além de seus muros, unindo-se em prol da sociedade, ajudando os menos favorecidos. Trata-se de uma forma ímpar de integrar universos discrepantes como é o condomínio e, em muitas vezes, o seu entorno.

 

Engajamento, um grande desafio

 

Independentemente do tipo de campanha a ser realizada, ela só acontece de forma eficaz se houver engajamento dos condôminos, o que se traduz num grande desafio para os síndicos, uma vez que não é nada fácil engajar diferentes pessoas que, muitas vezes, em comum possuem tão somente o endereço de residência.

 

O sucesso nesse desafio passa por algumas estratégias. O foco é uma das mais importantes. Qualquer que seja a campanha, é fundamental focar e mostrar aos condôminos a importância que o engajamento naquela ação terá, simultaneamente, tanto individualmente quanto para a coletividade.

 

Achar o ponto certo no ato de chamar a atenção das pessoas é igualmente estratégico. Sob esse aspecto, vale lembrar que as pessoas geralmente atentam-se apenas para seus próprios interesses e, para conseguir atrair a atenção geral, o condomínio deve fazer uso de diferentes recursos. A elaboração de cartazes e adesivos, assim como a gravação de rápidos vídeos, peças a serem expostas em elevadores, no hall de entrada ou na garagem, entre outros locais, são alguns exemplos de recursos. Além de serem colocadas em pontos estratégicos do condomínio, essas criações podem ser enviadas por whatsapp ou por aplicativos especialmente desenvolvidos para aquela comunidade condominial. Em campanhas mais complexas, outra estratégia importante é o convite de palestrantes para abordar e esclarecer aos condôminos o assunto em questão.

 

Em cada estratégia escolhida, o que se deve ter em mente é alcançar o emocional do condômino. Nesse sentido, um recurso altamente eficaz jamais deve ser esquecido pelo síndico: o diálogo. É válido ressaltar que, no cumprimento de sua função, o síndico exerce o papel de gestor de pessoas. Uma conversa esclarecedora e bem informativa com condôminos mais influentes, que se comunicam bem com os demais moradores, por exemplo, pode facilitar a disseminação e o engajamento da coletividade em uma determinada campanha e fazer total diferença.

 

Fonte: Revista Área Comum

26/12/2019 – Atenção redobrada: Uso do elevador durante as férias escolares

No período de férias, aumenta o número de crianças brincando dentro do condomínio e deve aumentar também a atenção dos pais e funcionários. A dor de cabeça dos funcionários de condomínios e do síndico começa no momento em que a criança menor de 10 anos utiliza o elevador sem a companhia de um adulto/responsável.

 

Segundo as normas para elevadores elaborada pela ABNT, é proibida a utilização dos elevadores por crianças menores de 12 anos desacompanhadas. Além disso, na cidade do Rio de Janeiro, a Lei Municipal nº 2.546/97 proíbe a locomoção de menores de 10 anos, se desacompanhados, sob pena de multa ao condomínio.

As crianças não têm maturidade para ficarem sozinhas no elevador, caso ocorra uma pane, elas não saberão contornar a situação e o nervosismo pode tornar o problema maior. É importante destacar que no elevador não se brinca, não deve pular e nem apertar vários botões. Essas brincadeiras danificam o elevador e incomodam outros usuários.

Para evitar problemas no funcionamento dos elevadores é necessário sempre estar de olho na manutenção. Será que está em dia? Um elevador que não possui sua manutenção periódica em dia pode ocasionar acidentes além, é claro, de prejuízos ao condomínio. 

É extremamente importante que os cuidados com a limpeza e a conservação das cabines sejam feitos diariamente. Não somente os funcionários do prédio devem estar atentos às condições de higiene das cabines, como também os moradores devem colaborar, evitando entrar molhados no elevador, além de, obviamente, não descartarem papel ou quaisquer lixos na cabine. As medidas de conservação devem ser feitas com o elevador desligado.