19/05/2020 – Praticando ioga em casa: Seis aplicativos que irão de ajudar

 

Algumas pessoas estão com mais horas livres dentro de casa, e por que não investir esse tempo na prática de esporte? A ioga é uma ótima alternativa para diminuir a ansiedade e a preocupação. Pensando no seu bem-estar em tempos de pandemia, o jornal El País separou alguns aplicativos bem legais para você fazer ioga em casa, seja qual for o seu nível. Confira!

Down Dog

Com milhares de avaliações na App Store, o Down Dog é um dos apps mais populares (e com melhor nota: 4,9 de 5). Entre suas virtudes se destaca que é perfeito tanto para iniciantes (oferece uma introdução de três dias à disciplina) como para os mais experientes iogues. Com suas 60.000 combinações de treinamento, é impossível repetir a mesma aula, por isso o tédio está descartado. Além disso, inclui seis vozes diferentes de instrutor, para que cada usuário possa escolher a que considera mais relaxante ou agradável. Sua assinatura é paga, custa 7,99 dólares (cerca de 40 reais) e está disponível em português.

Find What Feels Good

A texana Adriene Mishler, à frente deste aplicativo, tem mais de 6 milhões de assinantes em seu canal no YouTube, Yoga with Adriene. É uma das pioneiras no ensino online desta disciplina desde que começou a compartilhar, em 2012, seus conhecimentos em forma de vídeo. Seu aplicativo, Find What Feels Good, é uma extensão desse universo no qual conquistou grande reputação graças às suas explicações detalhadas e aos seus conselhos para adaptar os exercícios de acordo com o nível, estado de ânimo ou tempo disponível do praticante. Embora os vídeos estejam em inglês, são fáceis de acompanhar e têm uma edição cuidadosa. Quem quiser conferir, pode baixar o aplicativo gratuitamente e testá-lo por uma semana. Depois, o custo é de 9,99 dólares (50 reais) por mês.

Ioga para Iniciantes

Conhecido em inglês como Yoga for Beginners, a versão em português deste app é perfeita para todos que quiserem aproveitar a ocasião para se iniciar no mundo da ioga. Além de ser grátis, vantagem que temos de levar em conta, oferece três tipos de ioga para novatos: Vinyasa (três aulas para aprender posições básicas, como a do cachorro olhando para baixo e a de chaturanga), Hatha (outras três aulas um pouco mais lentas) e Ioga Restaurativa (a mais relaxante, perfeita para alongar músculos e liberar tensões). O melhor? Você só precisa de um tapete e aprenderá a controlar a respiração, algo fundamental nos dias de hoje.

Daily Yoga

Daily Yoga é provavelmente a maior biblioteca dessa disciplina disponível na rede e um dos aplicativos de ioga mais baixados. Além de escolher a intensidade de cada exercício conforme suas necessidades, você pode fazer perguntas aos melhores especialistas em ioga do mundo inteiro por meio do aplicativo Apple Health. Também permite monitorar a atividade com o Apple Watch e oferece rotinas dos 5 a 70 minutos para atender a todas as necessidades. Não é o mais barato da lista (13 dólares mensais, cerca de 65 reais), mas vale a pena. Não é chamado de bíblia da ioga à toa.

Asana Rebel

Entrar em forma, perder peso e iniciar um estilo de vida saudável são três dos resultados prometidos pelo Asana Rebel. Este aplicativo alemão lançado em 2015 combina ioga e fitness e permite pesquisar treinamentos por objetivos, duração ou intensidade. É a opção perfeita para quem, além de melhorar flexibilidade e a respiração e tonificar o corpo, quer fazer um exercício cardiovascular. Mas atenção, embora indique que é gratuito, a verdade é que é necessário pagar após baixá-lo. O programa de doze meses custa 77,99 euros (430 reais), mas há preços diferentes para tempos menores de permanência. Está disponível em português e já ultrapassou 10 milhões de downloads.

Pocket Yoga

Neste caso, é uma animação, em vez de um professor, que dá as explicações e aulas. O mais interessante é que o aplicativo inclui mais de 200 posições ilustradas e um extenso dicionário que descreve cada uma e seus benefícios. Além disso, permite trocar a música predeterminada por sua própria lista de reprodução. Está em inglês, mas é intuitivo e fácil de acompanhar. O download custa 11,99 reais.

12/09/2019 – Locações de curta temporada em aplicativos: os diretos e deveres da propriedade imobiliária

Com a grande procura por locações de curta temporada e com a facilidade de locações por aplicativos específicos, é inevitável o surgimento de conflitos em condomínios. O que fazer? Liberar? Proibir? Pode ou não utilizar as áreas comuns como piscina, academia, quadra de tênis?

São muitas as dúvidas que pairam no ar sobre esta modalidade de locação, e isso vem tirando a paz de muitos moradores e administradores de condomínios. Fato é que isso é uma realidade, não vai voltar atrás e temos que nos adaptar da melhor forma de atender a todos, tanto o proprietário residente que realizou seu sonho de ter uma moradia própria, quanto ao proprietário investidor que também tem o sonho de empreender no ramo imobiliário. Como é irreversível, então a melhor opção é se adequar e aderir um padrão que vem sendo utilizado no mundo todo.

A questão do acesso é um dos itens mais importantes, haja visto que precisamos garantir a segurança de todos os moradores e usuários do condomínio. O proprietário que desejar fazer este modelo de locação deve antes de tudo criar métodos para facilitar a identificação dos colaboradores da portaria e administradores do condomínio.

Deve enviar, com no mínimo 24hs de antecedência para a administração do condomínio, toda a qualificação do hospede, como nome, números de documentos, se for estrangeiro, cópia do passaporte, data de entrada e saída, número de hospedes que será permitida a entrada e se ele poderá levar acompanhantes, amigos, familiares e visitantes para o imóvel. Caso o regulamento interno do condomínio seja omisso quanto ao uso das áreas comuns como piscina, sauna, academia, o proprietário deve informar se o hospede está permitido utilizar essas áreas ou se há alguma restrição. Também, é muito comum o proprietário instalar uma fechadura na porta da unidade codificada, onde somente o proprietário irá disponibilizar a senha para o hospede.

Muito importante ressaltar que em hipótese alguma os colaboradores do condomínio podem fazer qualquer tipo de trabalho voltado para unidade autônoma, pois a responsabilidade total da operação é do proprietário, como check in, check out, serviços de transporte, entrega ou substituição insumos da unidade, como lençóis, cobertores, toalhas, eletrodomésticos, etc. Aos colaboradores do condomínio, cabe fazer a identificação, orientar o hospede nas dependências do condomínio e manter a ordem para um bom convívio entre todos.

Alguns condomínios mais tradicionais não aceitam muito bem esta prática, devido à grande rotatividade de pessoas nas dependências do condomínio, mas se você olhar por outro lado, essa troca de experiência, cultural, gastronômica, conhecer outras pessoas, outros países, outros costumes, é algo que agrega muito para educação e socialização de qualquer pessoa.

Fonte: Bem Paraná – Por João Xavier, administrador de empresas, especialista em gestão condominial, especialista em implantação de novos condomínios