25/09/2020 – A importância de manter dados cadastrais atualizados

Cliente da Zirtaeb merece ter nossa experiência por completo! Caso você seja recém-chegado ao condomínio ou imóvel, mudou algum dado pessoal, telefone, e-mail, entre outros, atualize seu cadastro! Além de ficarmos ainda mais próximos, conseguimos beneficiá-lo com exclusividades:

↪ Recebimento de informações úteis à sua rotina e do local em que mora, assim como as possíveis mudanças;

↪ Conseguirá acompanhar processos e qualquer tipo de solicitação que tenha sido requerida por você;

↪ Facilidade para conferência de questões referentes ao seu condomínio ou imóvel, em nossos sistemas online;

↪ Aproximação com nossa administradora e construção de uma relação ainda mais horizontal e de proximidade!

Lembre-se que juntos fazemos um trabalho ainda melhor. Atualize seu cadastro e receba tudo que a Zirtaeb tem de melhor a oferecer para você. Confira o passo a passo abaixo:

➘ Ao acessar nosso site, faça login na área do cliente;

➘ Clique em seu perfil, no canto superior da tela;

➘ Escolha a opção “Atualizar Cadastro”;

➘ Complete seus dados que estejam em branco ou desatualizados;

➘ Pronto, agora é só apertar em “Salvar”! 

Você estará mais próximo de nós e de um serviço ainda mais otimizado!

22/09/2020 – Vazamento entre apartamentos: afinal, quem paga a conta?

Manchas e infiltrações revelam vazamentos que podem comprometer apartamentos, inclusive dos vizinhos. Em condomínios é muito comum que com o tempo apareçam algum desses problemas, e é necessário que os moradores envolvidos conversem e resolvam a situação amigavelmente, envolvendo também a administração do prédio.

Mas afinal, quem paga a conta? Eis uma das questões que pode causar conflitos e precisa ser analisada com cuidado para que ninguém pague além do devido, causando brigas desnecessárias.

Vazamento entre apartamentos

Começa muitas vezes de forma discreta, algo que à primeira vista não é possível perceber, mas com o tempo, manchas e infiltrações começam a persistir e a umidade se torna evidente, revelando um vazamento.

Vazamentos de água podem ocorrer em qualquer lugar, mas no caso de apartamentos a situação pode ser um pouco mais séria, já que pode envolver mais de um morador, se não, um prédio todo.

Os vazamentos podem ser internos, quando acontecem nos ramais das tubulações que se destinam aos apartamentos e que se encontram em banheiros, na cozinha e lavanderia por exemplo, ou externos, quando o vazamento se localiza na tubulação principal que alimenta o apartamento entre os outros vizinhos.

Vazamentos de água dão alguns sinais como:

Manchas amareladas e escuras- As manchas no início do problema são mais claras e ficam escuras quando o vazamento permanece por mais tempo, já que começa o aparecimento de mofo e bolor;

Paredes úmidas- Ao tocar no local da infiltração, é possível perceber que a área está sempre úmida e quando o vazamento é intenso, a parede fica visivelmente molhada;

Pintura com bolhas- Por mais que passe uma demão de tinta, as bolhas sempre irão surgir pois o local possui uma infiltração. Em tintas mais antigas, começa a descascar e cair;

Azulejos e rodapés soltando- Em banheiros e cozinhas, é comum que os revestimentos comecem a se soltar por conta da umidade persistente.

Percebendo mudanças no apartamento, seja no teto, no piso ou nas paredes, o sindico deve ser acionado para uma inspeção e determinar de onde vem o problema. Outra questão e que gera mais conflitos é saber de qual apartamento o vazamento surgiu e quem irá pagar a conta.

Mas afinal, quem paga a conta?

Para descobrir quem tem que se responsabilizar pelo conserto, é necessário chamar um profissional de Caça Vazamentos, que irá fazer uma varredura em todas tubulações, sejam verticais e horizontais, externas e internas, usando equipamentos de tecnologia e qualidade, que conseguem analisar onde originou o vazamento e sua extensão.

Se o vazamento se dá nas tubulações verticais, ou seja, aquelas que faz parte da rede de distribuição de água e esgoto, é obrigação do condomínio pagar o conserto, retirando o fundo da fração ideal e contida na taxa do condomínio, a não ser que os condôminos decidam por outra medida que deve ser definida em reunião geral.

Já no caso de um vazamento nos ramais que alimentam os apartamentos individualmente, é obrigação do proprietário do imóvel fazer o reparo e arcar com os custos.

Se tiver inquilino, é preciso saber se este morador possa ter ocasionado o problema, sendo ele que pagará pelos custos. Caso contrário, é o proprietário que deve pagar tudo, inclusive dos vizinhos se a infiltração passou para outras áreas.

Fonte: Campo Grande News

19/09/2020 – A importância de um bom planejamento ao comprar um imóvel

O imóvel certo para se comprar é uma decisão que requer muito planejamento! Seja considerando o dinheiro que será investido ou pelo conforto que você busca em sua nova moradia, escolher casas à venda ou o apartamento ideal é algo que precisa de muita paciência e reflexão para concretizar o negócio certo.

E, para garantir que a sua aquisição seja da melhor forma possível, é importante considerar uma série de fatores para garantir que você esteja satisfeito com localização, características do imóvel e outros tópicos que farão da sua nova aquisição um excelente lugar para as suas ambições pessoais.

Pensando nisso, listamos cinco dicas que são muito importantes de serem consideradas antes de adquirir o seu novo imóvel e garantir que a sua nova moradia seja um doce lar para você.

Conheça a região onde vai morar

A primeira dica para escolher onde morar, primeiro de tudo, é ter em mente não apenas para qual região você pretende se mudar, mas como é o bairro e a região que você tem em mente para adquirir um imóvel, observando bem se o local escolhido combina com o teu projeto de vida pessoal e/ou profissional.

Primeiro de tudo, é importante verificar se o local pretendido para moradia combina com o teu estilo de vida, isso é, você prefere morar em um bairro mais movimentado ou mais calmo? A região que você quer estar é mais próxima ou longe do centro? Você quer todos os comércios perto ou estar mais afastado? Perguntas como essas e outras devem ser colocadas no papel e investigadas para optar onde é melhor adquirir o seu imóvel.

Além disso, é importante analisar o preço do metro quadrado em cada bairro e verificar qual se adequa melhor ao seu faturamento, não são raros os casos em que dois bairros que estão bem próximos um do outro possuírem uma variação bem grande de preço, consultar o motivo para isso e se a diferença vale a pena também deve ser considerado.

Por fim, é importante também verificar o potencial que o bairro possui, isso é, se há a possibilidade dele crescer no pequeno ou médio prazo, se ele pode valorizar e se isso pode ou não influenciar futuramente para você em relação ao seu planejamento de local ideal para se morar.

Adeque a escolha às suas possibilidades financeiras

Parece simples, mas uma coisa que precisa urgentemente ser levada em consideração está relacionada às suas possibilidades financeiras de poder adquirir o imóvel, uma vez que muitas pessoas resolvem comprar apartamento e ficam sem condições de arcar com as despesas depois.

Para evitar que o imóvel se torne um peso financeiro para você, é importante considerar toda a sua renda familiar e o preço das parcelas, sendo que elas não devem ocupar mais do que 30% de seus rendimentos, evitando assim imprevistos ou apertos financeiros futuramente.

Além disso, também deve-se considerar outros fatores que podem encarecer o imóvel lá na frente, como juros dos bancos e os trâmites burocráticos para que seja necessário registrar a propriedade em seu nome, sendo importante contar esses valores a mais nos 30%.

Por fim, outro aspecto que deve ser observado é a estabilidade de sua renda familiar: Por mais que imprevistos sempre aconteçam, existe a possibilidade de seus rendimentos caírem por qualquer motivo que seja ou é possível suportar com as finanças a médio prazo para que você possa arcar com as parcelas?

Ambições pessoais no futuro

O seu projeto de vida precisa se refletir no imóvel que será adquirido para você, uma vez que escolher uma moradia é uma decisão que irá se refletir nos seus próximos cinco ou dez anos, no mínimo!

Se você pretender se casar e ter filhos nesse tempo, é importante levar isso em conta para comprar uma casa maior, se você tem a intenção de trabalhar no sistema home office no futuro, também precisa ser levado em consideração para adquirir uma casa com um espaço que se adeque ao seu trabalho, por exemplo.

Deste modo, é possível que todas as tuas ambições, não só no presente, mas também no futuro, possam ser adequados ao seu novo imóvel e ele se tornar o mais aconchegante possível para, além de ser uma excelente moradia no presente, também se adeque ao seus planos futuros sem te deixar no aperto em casa.

Verifique as condições do imóvel

Talvez uma das dicas mais importantes que se deve ter em mente antes de comprar o imóvel: Antes de adquirir qualquer propriedade, sempre marque uma visita e verifique absolutamente todos os pontos, sejam interruptores, fiação elétrica, portas, ou qualquer outra coisa.

Muitas vezes, é possível que haja alguma coisa que necessite ser revista antes de realizar qualquer negócio, mas isso só é possível de saber se for conferido pelo futuro proprietário antes da decisão pela compra ser realizada, uma vez que pode existir muitos reparos necessários.

Com isso, é possível que o apartamento ou a casa usada esteja em perfeito estado antes da conclusão do negócio e não haja nenhum incômodo em seu novo lar para morar com segurança.

Confira todas as documentações

Por fim, após escolher a localização, analisar o imóvel que condiz com as suas ambições e suas finanças, verificar todos os pontos da propriedade e serem realizados todos os ajustes necessários, é importante resolver todos os trâmites burocráticos de maneira correta para, de fato, possuir um bem em teu nome.

Apesar de ser um processo que vai requerer muitos momentos de leitura e muita análise, é importante verificar cada documento que for repassado durante a negociação e ficar de olho se não haverá nenhum erro em relação ao que fora proposto antes, evitando incômodos futuros por erro no contrato.

Também é importante garantir que todos os documentos necessários tenham sido repassados para você, uma vez que a falta de um ou mais deles pode inviabilizar o negócio e causar um despejo inesperado no futuro.

Seguindo estas dicas, é possível se planejar melhor para comprar o melhor imóvel para você e finalmente adquirir aquele que será o teu lar, doce lar.

Fonte: Pelo Mundo DF.

17/09/2020 – Churrasqueira em apartamento: como não errar na escolha e na instalação

Com o sucesso das varandas gourmet, os apartamentos rapidamente puderam se tornar o ponto de encontro da família. Mas na hora de escolher e instalar a churrasqueira no apê, é fundamental contratar profissionais que entendam do assunto e seguir as normas do condomínio. Confira a seguir os principais pontos a considerar para uma reforma sem dor cabeça!

1. Estrutura

Para instalar uma churrasqueira no apartamento, basicamente, o imóvel precisa de um shaft, um duto de fumaça e dispor de condições para seguir as normas do condomínio. “Sem a devida atenção à parte técnica, nada feito. Em edifícios, é estritamente proibido que a fumaça saia pelas janelas, por exemplo, mesmo que pela própria varanda”, explica a arquiteta Erika Mello. A exaustão da fumaça pode acontecer de forma natural com uma chaminé, ou forçada, com o auxílio de equipamentos.

2. Espaço disponível

Comece verificando o espaço disponível para a instalação do equipamento e da . “Com essas medidas, o arquiteto tem os requisitos para definir o modelo da churrasqueira e o layout da varanda”, afirma o arquiteto Renato Andrade. A dimensão do duto, seja de alvenaria ou de metal, pode variar de acordo com o tamanho da coifa. No caso da chaminé, é necessário uma estrutura de no mínimo 2 m de altura.

3. Modelos disponíveis

Renato enfatiza que, embora os modelos com carvão sejam os mais tradicionais e queridos, as versões a gás têm conquistado espaço em função da rapidez para assar as carnes, eficiência e praticidade na limpeza. Entretanto, ela requer uma rede de gás ou botijão e um ponto de elétrica, já que a tubulação precisa ser adaptada no piso ou na parede. Na impossibilidade de optar por carvão ou gás, é possível contar com as churrasqueiras elétricas e portáteis.

4. Apoio ao churrasco

Na definição da área da churrasqueira, é preciso pensar também em uma estrutura que propicie conforto e funcionalidade, como uma com pia para a preparação dos alimentos, armários e uma área para circulação do churrasqueiro. “Dependendo da família, é importante ter a possibilidade de separar a varanda da área de estar. Uma divisória retrátil ou porta de correr pode evitar que o cheiro ou a fumaça do churrasco tome todo o apartamento”, diz Paula Passos.

5. Revestimentos

Na bancada, recomenda-se materiais resistentes às manchas derivadas do sangue da carne ou do carvão, e aos riscos com pontas de facas, espetos ou grelhas. Soma-se aos critérios a solidez, especialmente por conta da variação de temperatura com a churrasqueira próxima do espaço de trabalho. “O local de churrasco acaba sujando muito fácil, por isso, a preferência deve ser por revestimentos de parede e de piso que ofereçam facilidade para limpeza”, destaca Érica.

Fonte: Revista Casa e Jardim

15/09/2020 – Leilão on-line de imóvel: oportunidade durante a crise

Numa crise podem surgir inúmeras oportunidades. No mercado imobiliário não é diferente. Com a parada da construção civil em razão da pandemia de covid-19, pudemos observar o crescimento da procura de imóveis disponíveis em leilão on-line. O fato também é impulsionado pelas incertezas na economia e pela redução da rentabilidade de aplicações financeiras. Por isso, o investidor busca inovar sua atuação por meio desse tipo de compra e aproveita o isolamento social para pesquisar e participar dessa modalidade de aquisição.

A pandemia evidenciou que há pessoas dispostas a aprimorarem seus investimentos. Elas estão aprendendo que a compra de imóvel por meio do leilão on-line pode ser interessante para quem tem liquidez e não vê, no mercado financeiro, a possibilidade de retorno a curto prazo. Sendo assim, o leilão é uma saída para quem pensa em lucrar futuramente com a revenda do imóvel que foi arrematado por um preço abaixo do valor de mercado – e que dificilmente sofrerá redução em relação ao valor pago pelo investidor. O leilão ainda possibilita retorno no curto prazo por meio de locação e também pode ser uma saída para quem necessita de liquidez imediata, já que a rapidez na venda aumenta em relação a outras modalidades de negociação do mercado imobiliário.

Vale ressaltar que a compra por esse meio é segura. Entretanto, existe a possibilidade, ainda que remota, de haver fraude na execução ou contra credores. Neste caso, vale a contratação de um advogado, para que ele verifique eventuais pendências do imóvel e de seu(s) proprietário(s), principalmente em caso de leilão judicial, bem como para auxiliar o comprador na interpretação do edital. Além disso, é muito importante saber de antemão se o imóvel está ocupado e em quais condições se encontra. Quando há possibilidade, a visita pode ser imprescindível para a tomada de decisão.

No mais, vale ao comprador se planejar em relação ao seu lance máximo e não se empolgar com qualquer preço, avaliando sempre a melhor forma de pagamento e a que cabe no orçamento. Após a arrematação é importante registrar-se a transação no cartório de registro de imóveis, tendo em vista que pode recair sobre o mesmo imóvel mais de uma penhora.

Vale ressaltar que o vendedor poderá estipular um valor mínimo para a venda (lance condicional). Havendo oferta inferior ao valor mínimo estipulado pelo vendedor, caberá a ele concordar, rejeitar ou enviar uma contraoferta ao arrematante.

Fonte: Mercadoimobiliario.net

14/09/2020 – 6 itens para evitar crises alérgicas em casa

Veja alguns elementos de decoração que podem estar piorando o seu quadro e confira também como substituí-los sem abrir mão do estilo!

Apesar de não existir uma maneira de se livrar 100% do problema, existem alguns itens de decoração que, quando evitados, tornam o cotidiano mais fácil para quem sofre com alergias. Janaina Melo, médica alergista e imunologista junto à arquiteta Karina Korn, separaram os 6 itens do décor não recomendados para os alérgicos (e para mostrar como substituí-los!). Confira:

1. Prateleiras com muitos objetos perto da cama

“O ideal, para quem é alérgico, é que no quarto existam poucos objetos que acumulem poeira, para facilitar a limpeza, e sempre longe da cama. [Ao invés de usar muitos itens decorativos] uma dica para a decoração são os adesivos nas paredes”, recomenda a médica alergista Janaina Melo. “Para os quadros, prefira aqueles que sejam de materiais que facilitem a limpeza com pano úmido”. Ou seja: no lugar de quadros de tela a óleo, talvez seja uma boa investir em quadros com moldura de plástico, que podem ser facilmente higienizados para retirar a poeira.

2. Muitas almofadas e travesseiros

A lógica é a mesma dos objetos decorativos: quanto mais itens à mostra, mais pó se acumula. Ter muitas almofadas e travesseiros, sobretudo na cama, aumentam as chances de um quadro alérgico. Outro item que também deve ser riscado: bichos de pelúcia!

Os maiores cuidados, explica a médica, devem ser voltados aos colchões e travesseiros. “São itens que abrigam muitos ácaros após um mês de uso, mesmo que sejam novos. Portanto, o ideal é ter uma capa impermeável para ambos, que pode ser encontrada em lojas especializadas de alergia (capas anti-ácaros) ou podem ser confeccionadas com material impermeável como couro sintético”.

3. Sofás, pufes e cadeiras em camurça

“No caso do mobiliário, o ideal é evitar tudo o que é mais rugoso, como uma camurça, por exemplo. Para o décor, tecidos lisos são sempre mais bem-vindos nesse sentido, como o couro. Além de acumularem menos pó, são mais fáceis de limpar”, sugere Karina Korn.

Janaina Melo concorda, e também sugere o couro como uma das opções para substituição. “Os sofáspufes e cadeiras devem ser revestidos de material impermeável como couro, couro sintético, ou napa”, diz.

4. Plantas no quarto

A recomendação é evitá-las ao menos no quarto, onde permanecemos durante mais tempo. “Plantas não ajudam quem tem rinite, principalmente quem tem alergia a pólen. Deve-se evitar plantas no quarto, independente se são naturais ou artificiais, pois podem acumular a poeira em cima da cama”, explica Janaina Melo.

No lugar das plantinhas, você pode investir em um papel de parede de estampa botânica, fazer uma gallery wall colorida (com quadros com moldura de plástico para facilitar a higienização, como explicado acima) ou investir em técnicas de pintura como paredes bicolores e pinturas geométricas. Deixe as plantinhas para ambientes onde o tempo de permanência é menor, como corredores e salas de jantar.

5. Piso de taco antigo

Revestimentos também influenciam, e bastante, no quadro alérgico. “O piso ideal seria aquele com menor chance de acúmulo de poeira. Portanto, pisos laváveis, como porcelanatos (pisos frios em geral) ou laminados são os melhores. O pior piso para o alérgico seria o taco antigo”, afirma Janaina Melo.

Para o restante dos revestimentos da casa, via de regra, dê preferência aos menos porosos. Além disso, segundo Janaina, paredes com tintura lavável são as melhores para os alérgicos.

6. Tapetes

Não é novidade que carpetes, por exemplo, são péssimos para quem tem alergia. Se quiser muito acrescentar um ao décor, evite os modelos mais felpudos. “Quanto mais alto o fio do tapete, mais pó ele vai juntar”, alerta Karina Korn.

Por fim, Janaina Melo também recomenda ficar atento na escolha das cortinas, evitando as de tecidos. “O ideal é aquela que possa ser aspirada ou que possa ser higienizada com um pano úmido”, reforça.

Fonte: Casa Vogue

11/09/2020 – A administradora como aliada do seu condomínio

A rotina condominial pode mostrar-se trabalhosa ao ser delegada apenas ao síndico. Nesses momentos de instabilidade, é ainda mais preciso um suporte para ajudar nos processos e facilitar o dia a dia do gestor e de todos os condôminos. Contar com uma administradora capacitada provém serviços otimizadores de tempo e resolutor de problemas, como:

→ Área digital do condomínio: com tendências à continuidade do isolamento, inserir-se no mundo digital é essencial para o bom corrimento das atividades diárias. Com um sistema online do condomínio, é possível checar quadros de avisos, 2.ª via de boletos, reservar áreas comuns, acessar atas e convenções, e comunicar-se com outros moradores e o síndico com muito mais praticidade;

→ Assessoria trabalhista: atendimento personalizado, auxiliando em processos de admissão ou desligamento de funcionários, bem como o controle de fluxo de salários, benefícios, impostos, contribuições, etc;

→ Diminuição na inadimplência: desenvolver processos para incentivar o pagamento da cota condominial é fundamental para o bom funcionamento do local. Disponibilizar boletos que podem ser pagos em qualquer agência ou internet banking, com a possibilidade inclusive de pagá-los no próprio estabelecimento da administradora;

→ Documentos (24h): a modernidade é peça chave na administração de um condomínio. A digitalização de documentos e toda a pasta de prestação de contas fornece ao síndico uma transparência, conferindo confiança aos condôminos inseridos no meio.

Essas são apenas algumas das inúmeras funções e facilidades que a administradora oferece aos síndicos e condomínios em que trabalham. A Zirtaeb tem em sua carteira de serviços todas as opções supracitadas, além de outros serviços, como auxílio em assembleias, instalação do condomínio, elaborar previsões orçamentárias, entre outros. Entre em contato conosco e descubra todos os nossos recursos disponíveis para construir junto a você, síndico, um condomínio com mais tranquilidade e bem-estar geral.

27/08/2020 – Como realizar corretamente obras em apartamento

Construções, reparos e obras costumam oferecer desconforto para moradores próximos. Apesar de um proprietário ou inquilino ter total direito de realizar o necessário dentro de seu apartamento, é preciso que o mesmo tenha noção das convenções condominiais e que faça o possível para amenizar possíveis inconvenientes para vizinhos.

Lei do silêncio é uma das máximas de um condomínio, independente da situação. Recorra ao gestor ou regulamento do ambiente, de modo a não ultrapassar os horários corretos para a atividade. 

Poeira e dejetos são partes inerentes ao processo. Entretanto, meios precisam ser encontrados para amenizar esses problemas. Procure sempre manter a limpeza da área, corredor, elevadores, escadas, para que não gerem inconvenientes. O lixo e seu descarte é obrigação do benfeitor, portanto se lembre ou relembre o profissional responsável de realizar o despejo correto dos resíduos;

→ Verifique a possibilidade da obra antemão a realização. Algumas podem gerar malefícios à estrutura do prédio ou de unidades inferiores/superiores. Procure o síndico e certifique-se de obter um laudo de um profissional capacitado, caso seja necessário.

Comunicação é a chave para um bom relacionamento com seus vizinhos e síndico. Mantenha-os informado sobre o prazo e início dos reparos. É bom manter em mente que essas situações podem ocorrer em qualquer unidade, devendo haver uma certa tolerância por parte dos outros moradores, quando tudo é realizado dentro das normas;

→ É fundamental que sejam contatados profissionais especializados na obra ser feita, de modo em que nenhum problema técnico surja sem possibilidade de conserto. Devem sempre respeitar as convenções internas ao condomínio para prestação de serviços, principalmente durante a pandemia.

No período em que vivemos, esse contato com gestores e vizinhos são importantes para manter um ambiente saudável e com bem-estar geral. Esteja disposto a reconhecer os benefícios e malefícios que uma obra pode oferecer e procure um meio-termo que seja agradável a todos os envolvidos. 

 

Fontes: Correio Braziliense; Condomínio SC; Hoje Em Dia.

20/08/2020 – Violência doméstica: qual a responsabilidade do condomínio?

Tópico bastante sensível para a vida em comunidade, costuma gerar muita dúvida sobre até que ponto intervir em situações privadas pode ser aceitável. É importante sempre ter em mente que a violência pode partir de qualquer parte da família no âmbito doméstico, apesar de em sua maioria ser infligida sobre mulheres. A Lei Maria da Penha (um dos marcos legislativos brasileiros no que tange proteção às vítimas) vai além do abuso físico: ofensas, difamações e violência psicológica também devem ser consideradas.

Mas onde que o exterior pode interceder sem parecer uma intromissão? Nesse momento é necessário entender qual a situação da vítima e ter certeza sobre a agressão, seja ela ouvida, presenciada ou a pedido de socorros. Em busca de evitar agravações da situação, síndico ou condôminos devem ter tato para identificar o instante para acionar o número de proteção às vítimas, 180, que funciona 24 horas por dia, ou então o 190, caso seja de mais urgência. Lembrando que em casos comprovados, a pessoa em questão pode ser responsabilizada pelo crime de omissão de socorro.

Com a pandemia e o isolamento social, os casos têm subido vertiginosamente. Mesmo com os receios voltados à situação do avanço do vírus, é fundamental que o combate à violência doméstica também intensifique-se. A prevenção é uma das maneiras mais efetivas para isso, e agora em lei estadual, todos os condomínios e complexos prediais precisam afixar cartazes informando sobre o atendimento às mulheres em situação de violência, dando o papel ao síndico de instrutor para orientar ações caso ocorra algo do tipo.

Um ponto-chave dessa discussão é a contínua preservação dos envolvidos. O sigilo garante a integridade física e moral da vítima e tem o poder de evitar maiores danos e acentuar o caso para algo maior. O síndico, bem como moradores, embora sejam elementares na quebra do ciclo de violência, não podem entrar em méritos de discussões exacerbadas ou “rotineiras”, é importante saber diferenciá-las. Configuram como “bandeiras vermelhas” para intervenção:

→ Agressões corporais, com objetos, portando armas brancas ou de fogo, retiradas à força de ambientes, dominância física sobre o corpo da vítima, entre outros.

→ Humilhações privadas e públicas, demasiados insultos e xingamentos proferidos, chantagens emocionais e envolvendo outras pessoas, entre outros.

Além da prevenção e ação imediata quando essencial, a época pós agressão podem ser cruciais para influenciar positivamente sobre a vida da vítima, como em casos de medidas protetivas judiciais e o impedimento de entrada do agressor na unidade em função disso.

O condomínio, síndico e moradores precisam estar atentos aos sinais claros, podendo apenas sofrer judicialmente com a intervenção caso não tenham provas concretas ou ajam de má-fé para com os condôminos envolvidos. A luta contra essa grave e endêmica situação também é obrigação daqueles que a cercam: denuncie, preste apoio e fique sempre alerta às situações, a ligação é sempre anônima e você poderá estar salvando vidas!

Fontes: Sindiconet; Pontualcobranca.

18/08/2020 – Dicas para montar o seu escritório em casa

Do espaço escolhido à organização, essas dicas vão ajudar a tornar as horas de trabalho mais agradáveis e produtivas

 

O home office tem se tornado uma realidade para muitas pessoas nos últimos meses. Porém, por se tratar de uma nova forma de trabalho, existem dúvidas sobre como adotar este modelo, por isso listamos os principais pontos para montar seu escritório em casa e trabalhar de forma confortável, organizada e produtiva.

 

Para os especialistas no assunto, é importante considerar dois fatores principais: a organização física, que envolve escolha do espaço, decoração, cores, iluminação e afins, e a da rotina, com regras de uso no dia a dia para alcançar bem-estar na relação entre trabalho, casa e família. Vamos a eles.

 

1. Escolha o espaço

Nem todo mundo dispõe de um cômodo ou espaço exclusivo para o home office. Se esse for o seu caso, opte por ambientes mais tranquilos para dividir as funções, principalmente se tem crianças em casa. “Boas opções são utilizar espaços como debaixo das escadas, varandas ou mesmo cantinhos do quarto”, diz a arquiteta Cris Paola. O melhor é deixar a cozinha e a área de TV livres para os tempos de diversão e crie um espaço que favoreça o seu foco.

Não existe uma metragem mínima para seu escritório, basta ter espaço suficiente para rack, aparador ou bancada. “O ideal é que a bancada tenha a altura de 75 cm. Se for usada por crianças também, opte por cadeiras ergonômicas, que têm ajustes de altura, encosto e assento”, explica Cris. Caso haja espaço, o ideal é que a bancada tenha 55 cm de profundidade e, no mínimo, 70 cm de largura. Mas, se o local for muito pequeno, o ideal é procurar um profissional para auxiliar. “Nesses casos a marcenaria sob medida pode atender até as demandas mais exigentes”, comenta o designer de interiores Newton Lima.

 

2. Organização gera produtividade

 

Invista em prateleiras, gavetas e armários. Eles, sem dúvida, são ótimas opções para manter tudo no lugar. Caso não tenha muito espaço, a dica da personal organizer Carol Rosa é investir em caixas, que podem ser coloridas, ou cestos, principalmente se for um escritório montado na sala ou outro ambiente de convivência familiar.

“Quando terminar o trabalho, guarde tudo dentro das caixas para voltar a ser casa novamente. É como fechar o escritório”, compara. “Senão ficamos com a sensação de que o trabalho nunca foi embora”, concorda Ingrid. Ela recomenda também retirar da mesa o que não é essencial para trabalhar. “Vale se livrar de pastas e papéis que não estão em uso. Reorganize estes itens em um armário do home office ou em outra parte da casa. O excesso de objetos em cima da mesa acaba prejudicando a produtividade”, afirma.

Não se esqueça de esconder os fios: a instalação apropriada de luminárias, computadores e impressoras faz toda diferença. A bagunça de fios e tomadas podem atrapalhar a circulação e a movimentação de cadeira e gavetas, o que impacta diretamente no campo de visão e concentração.

 

3. Uma decoração vai bem

 

Para quem faz reuniões, calls e chamadas de vídeo, é interessante criar um espaço visualmente agradável. Quadros e plantas podem fazer essa composição de fundo, por exemplo. “É primordial criar um ambiente bonito e organizado para quem acompanhará a reunião on-line. Afinal, isso faz parte da sua marca como profissional”, acredita a Ingrid.

 

4. As melhores cores

 

Apesar de não existir regra para o uso de cores, além do assunto transitar pelo gosto pessoal e personalidade de cada um, a arquiteta Cris Paola indica tons de verde e azul, que, segundo ela, ajudam na concentração e trazem tranquilidade. Já os tons de laranja e amarelo, estimulam a criatividade. “Neste caso, invista em objetos”, aconselha.

 

5. Boa iluminação é essencial

 

Para trabalhar em home office é importante ter um espaço claro e muito bem iluminado. Considere a possibilidade de se acomodar em um ambiente que receba luz natural durante o dia. Ela é agradável, cansa menos e ajuda a economizar energia elétrica. Se a vista da janela for bonita, melhor ainda! Para a noite ou dias nublados, é necessário completar com uma iluminação artificial, que não incomode os olhos.

Segundo a arquiteta Nicole Gomes, CEO da Labluz, um dos principais fatores a serem levados em consideração é a tonalidade da luz. Se a lâmpada for muito branca, a sensação é de inquietude e cansaço em poucas horas de trabalho. Por outro lado, a cor amarela pode deixar a pessoa muito relaxada e, consequentemente, improdutiva. O ideal é usar uma lâmpada amarela neutra de 3.000 K.

Para quem tem um espaço dedicado especialmente ao home office, a recomendação é que o foco da iluminação seja a mesa de trabalho. Por isso, é possível usar pendentes ou outros utensílios com luz direta, que estejam bem posicionados em cima da mesa – e não atrás, para que não seja criada uma sombra no plano principal.

Se você trabalha em um espaço integrado na área social, a dica de Nicole é apostar em uma boa luminária de mesa. Além de integrar a decoração do ambiente, ela traz a luz necessária para que o trabalho não se torne tão intenso e estressante.

Se o trabalho se dá na sala de jantar, é bom adotar uma luz mais homogênea, ou seja, que não seja tão clara nem tão escura. Segundo Nicole, é possível obter esse resultado com um pendente de altura entre 70 e 90 cm, que colabora para não ofuscar o material de trabalho e deixar o ambiente mais confortável.

 

6. A cadeira precisa ser confortável

 

Segundo Ingrid, ter uma cadeira confortável para afastar as temidas dores na coluna é fundamental. Escolha com cuidado um modelo específico para escritório, que agrade e acomode bem a região lombar. Vale investir em um bom produto, com design, pois a cadeira vai ser uma de suas grandes companheiras de trabalho.

 

7. Plantas para ter no escritório

 

Além do visual mais agradável e fresco, as plantas também podem trazer benefícios à saúde. Um estudo publicado no Journal of Experimental Psychology: Applied, provou que ter verde por perto pode aumentar a concentração e a produtividade em até 15%. Outro estudo da NASA indica que em ambientes fechados algumas plantas podem remover até 87% das toxinas aéreas em apenas 24 horas. Mais do que bons motivos para ter plantinhas na mesa de trabalho e aproveitar o bem-estar que elas trazem.

É claro que existe uma infinidade de espécies que se dão bem nestes ambientes, mas se você não quer se preocupar muito com a manutenção, há opções bem simples de cuidar. Os cactos, por exemplo, requerem rega uma vez por semana no verão, enquanto nos dias frios apenas uma vez a cada 20 dias. A mesma simplicidade está na planta-jade, que não precisa de muita luz e regas apenas quando o solo estiver seco. A planta aranha, também chamada de clorofitos, é uma herbácia de porte pequeno que usa a luz indireta para seu desenvolvimento e, do mesmo jeito que as jades, a terra precisa estar seca antes de ser regada. As suculentas, além de dar um charme no décor, não ligam para o ar seco e a falta de água; é só observar se o solo está livre de umidade antes de aguar.

 

8. Crie uma rotina

 

Segundo Carol Rosa, é fundamental criar uma rotina, que não precisa ser rigorosa, mas trazer bem-estar. “Isso traz praticidade ao dia a dia, para não fazer a mesma tarefa várias vezes ou trabalhar além do horário estipulado”, diz.

No que se refere à produtividade, Ingrid Lisboa explica que é preciso tomar cuidado para não ser “contaminado” pelas demandas da casa. Então é importante separar o tempo que você vai trabalhar e o que vai cuidar das tarefas domésticas. “Eu não recomendo que as pessoas separem o momento que elas são mais produtivas no trabalho para fazer a limpeza da casa, por exemplo”, ensina.

Para dar conta da casa junto com o trabalho é preciso dividir as tarefas entre as pessoas que moram no local. “Não estou falando de ajuda, e sim de divisão. Uma boa dica para quem está em home office e tem criança pequena é fechar as portas. Se não for possível, avise as pessoas que estará em reunião. Organize-se como se estivesse realmente na empresa, no seu ambiente de trabalho convencional”, diz Ingrid.

Organizar o tempo é fundamental, por isso a especialista indica verificar, todos os dias de manhã ou no final do dia, quais são as atividades de trabalho, determinar horários e definir as prioridades. “Não seja multitarefas. Comece um assunto e termine. Desta forma, você vai sentir o dia render. Elimine as distrações como celular e alarme de e-mail, entre outras”, orienta.

Fonte: Casa e Jardim