30/09/2020 – A figura do síndico contemporâneo

Com perfil mais arrojado, os novos gestores estão preocupados em trazer o profissionalismo para o condomínio, focados na valorização patrimonial.

Os estereótipos que envolvem a figura do síndico estão ficando no passado. Hoje a maioria dos síndicos são empresários ou profissionais liberais, que têm como desafios mediar as relações interpessoais do condomínio, investir em ações que valorizem os imóveis e atender às demandas burocráticas e estruturais, compartilhando-as com administradoras ou empresas especializadas. Esse novo perfil de gestor aponta para uma qualificação da função, em que a presença de uma pessoa habilitada é essencial para o bom funcionamento da dinâmica do espaço, que muitas vezes pode ser equiparado pela lei a grandes empresas, com inúmeras obrigações contábeis, trabalhistas, fiscais e previdenciárias.

De acordo com Angélica Arbex, a atividade tem uma enorme responsabilidade, sendo que as suas atribuições vão além do que está definido no Código Civil Brasileiro. “Eles caminham para serem agentes transformadores dos bairros e das cidades. Um estudo que realizamos recentemente mostrou que está aumentando a disputa pelo cargo de síndico, e que os candidatos estão cada vez mais jovens e mais conectados com o seu verdadeiro papel para o condomínio, para o bairro e para a cidade. São pessoas genuinamente preocupadas com a formação das comunidades, com o fomento à convivência, com a construção de vizinhanças mais amáveis e colaborativas e que entendem o compromisso que devem cumprir”, explica.

A verticalização das cidades já é um fato e até 2030, cerca de 90% da população brasileira estará vivendo em áreas urbanas. Nos anos 1980 esse percentual era, segundo o IBGE, de 67,7%. “No mundo contemporâneo, entendemos que os síndicos exercem um papel muito importante, até fundamental, na gestão das cidades. Cuidar desses espaços, que muitas vezes são minicidades, é uma tarefa que vem se transformando completamente nos últimos anos e que tem pela frente um futuro instigante e promissor”, avalia Angélica.

Além disso, ela destaca que a inovação também é pauta constante desse novo perfil de gestor, que se interessa por serviços integrados, otimização de recursos, novos formatos de contratação de mão de obra e um desenho claro de plano de trabalho com apresentação de resultados. “Espera-se que, além de toda a parte burocrática, os síndicos tenham capacidade de inovar na gestão, incluindo iniciativas de sustentabilidade e de mobilização dos moradores em torno de questões que envolvem a participação coletiva, como a segurança do edifício, a correta utilização das áreas comuns e o uso racional da água”, conclui.

Fique atento

A primeira coisa que o gestor tem que transmitir para o grupo é que ele tem comprometimento com o prédio e está totalmente envolvido com todas as questões que envolvem esse universo. E isso não será demonstrado pela fala, mas sim por atitudes e na apresentação de resultados.

A atividade do síndico deve ocupar uma posição estratégica dentro do condomínio e ele deve estar sempre atento às necessidades dos condôminos. É muito importante que ele faça consultas com os moradores para traçar um plano de prioridades, dividindo com eles a responsabilidade nas escolhas.

Para trazer o profissionalismo, é fundamental que o síndico encare a função com integridade e ética, utilizando técnicas de gestão como baliza para a gestão do orçamento. Só assim será possível atingir as metas projetadas para o ano e apresentar um balancete com dados que mostrem tudo o que foi melhorado, sempre da forma mais transparente possível.

Ter um plano de comunicação com os moradores, que saia apenas do livro de ocorrência na portaria. Aqui é possível ter um canal via e-mail ou aplicativos de gestão online onde as pessoas possam fazer suas pontuações e trocar uma ideia diretamente com o gestor.

Fonte: CondominiosSC

29/09/2020 – Como criar um manual de segurança do condomínio

O manual de segurança do condomínio é um documento que estabelece normas e rotinas. Elas devem ser seguidas por moradores e funcionários com o objetivo de evitar a ação de criminosos. Fugir da violência é o motivo pelo qual muitas pessoas optam por morar em apartamentos. No entanto, nem todas se dão conta de que, para que as medidas de prevenção tenha eficácia, é preciso que haja não só tecnologia e funcionários trabalhando na vigilância, mas, principalmente, que as regras e os protocolos sejam rigorosamente cumpridos.

Ter um documento como o manual de segurança do condomínio é importante porque torna claro para todos o que deve ser feito em cada situação. O síndico, que deve zelar pelo cumprimento das regras, está embasado pelo que foi estabelecido previamente. Da mesma forma, os moradores podem auxiliar e cobrar uns aos outros em prol do objetivo comum de garantir que todos estejam seguros.

Passos fundamentais para a criação do manual de segurança do condomínio

Criar um manual de segurança do condomínio não pode ser uma atitude unilateral, ou seja, o síndico ou um grupo de pessoas não podem definir as regras sozinhos. Também não é possível simplesmente copiar o documento de um outro local. Afinal, cada condomínio possui suas particularidades, pontos fortes e fracos, e necessidades específicas que devem ser colocadas em pauta. Sendo assim, veja alguns passos fundamentais antes da criação do manual de segurança do condomínio:

Mapeamento dos recursos e fragilidades

Antes mesmo de levar o assunto para a discussão de todos, é interessante que os responsáveis pelo condomínio preparem uma pauta de reunião exclusiva para o assunto “segurança”. Nesse caso, os recursos podem ser divididos em:

  • Materiais — grades, câmeras, portões, alarmes, sistemas de monitoramento, sensores etc;
  • Humanos — gestores e funcionários capacitados com frequência;
  • Rotinas — acordos que orientam sobre como fechar grades quando levar o lixo para fora, abertura do portão para entregadores ou prestadores de serviço , cuidados na entrada da garagem, etc.

Nesse ponto, é fundamental colocar no papel o que o condomínio dispõe atualmente em relação a segurança e o que pode ser melhorado. A pessoa ou o grupo responsável pela elaboração do manual de segurança do condomínio podem reunir informações como:

  • Quais são os equipamentos tecnológicos existentes?
  • O nível de capacitação dos funcionários para operar esses recursos?
  • Existem pontos cegos ou brechas na segurança do condomínio?
  • As rotinas do condomínio estão expostas perigosamente e podem ser facilmente identificadas por bandidos?

Discussão em assembleia

Com as respostas para as perguntas anterior — e outras que possam surgir — é possível ter um ponto de partida para melhorias. Se não há câmeras, por exemplo, o síndico pode levar para assembleia a proposta com alguns orçamentos, fornecedores, formas de uso, etc.

A contratação ou o treinamento de um funcionário são fundamentais. Afinal, simplesmente ter alguém cuidando da portaria pode não ser o bastante. Pelo contrário, por estar totalmente ciente sobre tudo que ocorre na rotina, quando mal treinada, essa pessoa pode ser o alvo principal do bandido para compreender o que acontece e agir com maior eficácia.

As rotinas também deve ser discutidas: entrada e saída de moradores e visitantes, abertura do portão para alguém que está entrando, realização de atividades sempre no mesmo horário, etc.

Fonte: Intelbras

28/09/2020 – A questão da água nos condomínios

A água representa uma das maiores despesas em condomínios residenciais no Brasil. Além da questão financeira, é importante lembrar da necessidade de economizarmos este recurso pensando em gerações futuras. A colaboração precisa vir não só do síndico, com medidas impostas, como também de todos os envolvidos na rotina condominial. De acordo com a cartilha da ABADI “Fórum da Água”, a solução pode vir com pequenas e grandes ações:

→ Vistorias periódicas em tubulações abastecedoras;

→ Considerar vazamentos em reservatórios;

→ Verificar se existem problemas com canos de alimentação;

→ Monitorar consumo com a medição do hidrômetro;

→ Sempre que possível, optar pela hidrometração individual;

→ Lavagem de áreas comuns com baldes, ao invés de mangueiras;

→ Reaproveitamento de água da chuva;

→ Campanhas de conscientização de moradores sobre economia do recurso;

→ Redução dos gastos excessivos com água em banheiros das unidades;

→ Assim como nas cozinhas.

A água é o segundo item que mais pesa no valor de cotas condominiais, perdendo apenas para a folha de pagamentos. Não só o meio ambiente e os recursos naturais são poupados com a redução do uso desenfreado, como também a carteira de todos os envolvidos. Economize água e conscientize o próximo, essa precisa ser uma luta coletiva!

 

Fonte: ABADI.

25/09/2020 – A importância de manter dados cadastrais atualizados

Cliente da Zirtaeb merece ter nossa experiência por completo! Caso você seja recém-chegado ao condomínio ou imóvel, mudou algum dado pessoal, telefone, e-mail, entre outros, atualize seu cadastro! Além de ficarmos ainda mais próximos, conseguimos beneficiá-lo com exclusividades:

↪ Recebimento de informações úteis à sua rotina e do local em que mora, assim como as possíveis mudanças;

↪ Conseguirá acompanhar processos e qualquer tipo de solicitação que tenha sido requerida por você;

↪ Facilidade para conferência de questões referentes ao seu condomínio ou imóvel, em nossos sistemas online;

↪ Aproximação com nossa administradora e construção de uma relação ainda mais horizontal e de proximidade!

Lembre-se que juntos fazemos um trabalho ainda melhor. Atualize seu cadastro e receba tudo que a Zirtaeb tem de melhor a oferecer para você. Confira o passo a passo abaixo:

➘ Ao acessar nosso site, faça login na área do cliente;

➘ Clique em seu perfil, no canto superior da tela;

➘ Escolha a opção “Atualizar Cadastro”;

➘ Complete seus dados que estejam em branco ou desatualizados;

➘ Pronto, agora é só apertar em “Salvar”! 

Você estará mais próximo de nós e de um serviço ainda mais otimizado!

24/09/2020 – Mercados autônomos ganham espaço em condomínios

Esse tipo de negócios avança no Brasil e traz a tecnologia para o centro da vida dos consumidores

Quando a Amazon lançou seu primeiro mercado físico 100% autônomo, o Amazon Go, em 2018, o mundo ficou espantado: graças a tecnologias de ponta, uma pessoa podia pegar um produto na prateleira, pô-lo direto na bolsa e ir embora, sem perder tempo em filas no caixa — tudo, claro, devidamente registrado no cartão de crédito.

A pioneira Zaitt iniciou 2020 com duas lojas, mas deve encerrar o ano com doze. Não há funcionários nos mercados. O cliente acessa a unidade após a leitura de um QR code pelo smartphone, seleciona os produtos usando o aparelho para a leitura do código de barras e finaliza a compra pelo aplicativo. “Ajustamos o nosso modelo de negócios, entendemos o gosto dos clientes e agora estamos prontos para crescer”, diz Rodrigo Miranda, presidente da Zaitt, rede comprada recentemente pela empresa de restaurantes corporativos Sapore. A companhia não revela o faturamento, mas o executivo diz que, durante a quarentena, as vendas subiram 50%.

É nos prédios e condomínios residenciais que os mercados autônomos mais crescem no país, o que pode ser atribuído ao distanciamento social imposto pela pandemia. Para evitar o risco de circular em lugares públicos, muitas pessoas recorreram às compras literalmente na esquina de casa. Estima-se que pelo menos 500 condomínios contam com o serviço.

Para as grandes companhias, o maior ativo desse tipo de mercado está nas informações sobre os hábitos de consumo, que valem ouro hoje em dia. Não à toa, marcas como a cervejaria Ambev, a empresa de bens de consumo Unilever e o frigorífico Seara pagam ao market4u para ter seus produtos expostos nas prateleiras. “Os mercados de condomínio servem como laboratórios para conhecer os gostos de nossos consumidores”, diz Manoela Victal, diretora de Novos Canais da Seara.

Fonte: Veja

23/09/2020 – Inspiração de decoração: 3 melhores sites e aplicativos para você aproveitar!

Na hora de planejar a composição dos ambientes da casa, o que não faltam são dúvidas com relação à decoração. Mesmo que você tenha em mente como prefere a disposição dos elementos em cada cômodo, é comum querer uma ajudinha ou mesmo uma inspiração para sair do campo comum e criar espaços personalizados e agradáveis.

A internet, nossa amiga de todas as horas, não faz feio nesse momento. Há uma série de ferramentas, aplicativos e sites que podem indicar as melhores opções e direcionar a escolha dos componentes de cada cantinho do seu lar.

Aliás, é exatamente sobre isso que trataremos neste post. Continue conosco e veja 3 sites e apps que podem servir de inspiração de decoração!

1. Pinterest

Para dar início à nossa lista, vamos falar do Pinterest. Para acessar essa ferramenta, você pode optar por navegar pelo site ou realizar o download do app, disponível para android e IOS. A principal função do Pinterest é a busca por imagens que sirvam de referência para as mais diversas necessidades.

O ponto de atração aqui vai para a possibilidade de montar pastas com as suas imagens preferidas, criando as categorias de acordo com seus gostos. Além disso, é muito comum que várias imagens estejam ligadas a páginas externas, que apresentam ainda mais conteúdos sobre o assunto buscado.

2. Youtube

Para facilitar ainda mais a sua busca por inspiração de decoração, o Youtube traz a possibilidade de encontrar vídeos sobre os mais diversos assuntos. Com uma plataforma de fácil navegação, que pode ser acessada por meio da página ou do app, é bastante simples encontrar o conteúdo de que você precisa.

Uma dica aqui é focar nos tutoriais, já que é bem mais prático entender um conceito explicado em vídeo. Além disso, o Youtube ganha pontos por favorecer a agilidade e praticidade de acesso às informações, já que pode ser utilizado mesmo enquanto você realiza outras atividades.

3. Magic Plan

Na hora de decidir pelos acessórios que vão compor a decoração, é fundamental ter em mente como são os ambientes da casa. Pensando nisso, o app Magic Plan é capaz de tirar a medida dos cômodos e montar uma planta da propriedade por meio de imagens feitas com a câmera do seu smartphone.

Montar um ambiente mais aconchegante e personalizado pode ser bem mais fácil com ferramentas como as que citamos. O melhor de tudo é que você pode contar com inspiração de decoração para inovar na montagem do seu lar e encontrar os melhores elementos para integrar cada ambiente.

Fonte: ImovelWeb

22/09/2020 – Vazamento entre apartamentos: afinal, quem paga a conta?

Manchas e infiltrações revelam vazamentos que podem comprometer apartamentos, inclusive dos vizinhos. Em condomínios é muito comum que com o tempo apareçam algum desses problemas, e é necessário que os moradores envolvidos conversem e resolvam a situação amigavelmente, envolvendo também a administração do prédio.

Mas afinal, quem paga a conta? Eis uma das questões que pode causar conflitos e precisa ser analisada com cuidado para que ninguém pague além do devido, causando brigas desnecessárias.

Vazamento entre apartamentos

Começa muitas vezes de forma discreta, algo que à primeira vista não é possível perceber, mas com o tempo, manchas e infiltrações começam a persistir e a umidade se torna evidente, revelando um vazamento.

Vazamentos de água podem ocorrer em qualquer lugar, mas no caso de apartamentos a situação pode ser um pouco mais séria, já que pode envolver mais de um morador, se não, um prédio todo.

Os vazamentos podem ser internos, quando acontecem nos ramais das tubulações que se destinam aos apartamentos e que se encontram em banheiros, na cozinha e lavanderia por exemplo, ou externos, quando o vazamento se localiza na tubulação principal que alimenta o apartamento entre os outros vizinhos.

Vazamentos de água dão alguns sinais como:

Manchas amareladas e escuras- As manchas no início do problema são mais claras e ficam escuras quando o vazamento permanece por mais tempo, já que começa o aparecimento de mofo e bolor;

Paredes úmidas- Ao tocar no local da infiltração, é possível perceber que a área está sempre úmida e quando o vazamento é intenso, a parede fica visivelmente molhada;

Pintura com bolhas- Por mais que passe uma demão de tinta, as bolhas sempre irão surgir pois o local possui uma infiltração. Em tintas mais antigas, começa a descascar e cair;

Azulejos e rodapés soltando- Em banheiros e cozinhas, é comum que os revestimentos comecem a se soltar por conta da umidade persistente.

Percebendo mudanças no apartamento, seja no teto, no piso ou nas paredes, o sindico deve ser acionado para uma inspeção e determinar de onde vem o problema. Outra questão e que gera mais conflitos é saber de qual apartamento o vazamento surgiu e quem irá pagar a conta.

Mas afinal, quem paga a conta?

Para descobrir quem tem que se responsabilizar pelo conserto, é necessário chamar um profissional de Caça Vazamentos, que irá fazer uma varredura em todas tubulações, sejam verticais e horizontais, externas e internas, usando equipamentos de tecnologia e qualidade, que conseguem analisar onde originou o vazamento e sua extensão.

Se o vazamento se dá nas tubulações verticais, ou seja, aquelas que faz parte da rede de distribuição de água e esgoto, é obrigação do condomínio pagar o conserto, retirando o fundo da fração ideal e contida na taxa do condomínio, a não ser que os condôminos decidam por outra medida que deve ser definida em reunião geral.

Já no caso de um vazamento nos ramais que alimentam os apartamentos individualmente, é obrigação do proprietário do imóvel fazer o reparo e arcar com os custos.

Se tiver inquilino, é preciso saber se este morador possa ter ocasionado o problema, sendo ele que pagará pelos custos. Caso contrário, é o proprietário que deve pagar tudo, inclusive dos vizinhos se a infiltração passou para outras áreas.

Fonte: Campo Grande News

21/09/2020 – Condomínios e o ajuste à lei sobre proteção de dados

Garantir o direito à privacidade dos cidadãos é o objetivo principal da LGPD. Para isso, a legislação pretende dar segurança quanto à maneira como as empresas guardam, coletam, utilizam, disponibilizam e transmitem a terceiros dados pessoais que identifiquem ou possibilitem identificar os usuários, como nome e números de documentos, entre outros.

Há controvérsias sobre a aplicação direta da nova legislação aos condomínios residenciais, já que as informações coletadas nesses locais não têm finalidade comercial. Porém, especialistas ouvidos pelo Estadão consideram que é melhor se enquadrar às regras.

Mesmo que o condomínio não seja obrigado eventualmente a cumprir integralmente a LGPD, o advogado André Luiz Junqueira recomenda que o síndico regulamente o tema em assembleia geral, estabelecendo procedimentos específicos para coleta, tratamento e, especialmente, acesso aos dados – seja em meio digital ou não.

Questões pendentes na LGPD

Por outro lado, ainda há questões na própria LGPD que precisam ser regulamentadas. No dia 27 de agosto, o presidente Jair Bolsonaro publicou decreto que define a estrutura regimental para a criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), órgão que vai fiscalizar e editar as normas.

Só que ainda há dúvidas pontuais. “Essa legislação precisa de um pouco mais de detalhes para os condomínios, ela pecou nesse sentido”, critica o síndico Rafael Bernardes, que atua na área há 15 anos e já tinha a preocupação de zelar pelos dados de seus condôminos e prestadores de serviço antes da lei. Bernardes questiona, por exemplo, se um morador inadimplente pode ter seu nome colocado no balancete do condomínio.

Já casos como a divulgação de imagens pelo circuito interno de TV e exposição de informações pessoais do cadastro para empresas terceirizadas prospectarem serviços são consideradas violações à LGPD, explica Karpat. “As penalidades previstas em lei são muito severas e podem atingir os condomínios em caso de descumprimento”, aponta o advogado.

Por enquanto, as multas e punições ainda não estão valendo. “As sanções só serão aplicadas a partir de agosto de 2021, mas o quanto antes os processos forem adequados, mais pontos as empresas ganham na relação de respeito e reciprocidade com os seus consumidores”, observa a gerente de Relações com os Clientes da Lello Condomínios, Angelica Arbex.

Para entender a LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) foi promulgada em 2018 pelo então presidente Michel Temer. Neste ano, por meio da Medida Provisória 959/20, o governo federal propôs o adiamento da entrada em vigor da lei, deixando o início de sua vigência para de maio de 2021. Em agosto, o Congresso rejeitou a alteração e a LGPD, agora, entrará em vigor após sanção presidencial. Já as sanções administrativas valerão a partir de 1º de agosto de 2021.

Fonte: Estadão

19/09/2020 – A importância de um bom planejamento ao comprar um imóvel

O imóvel certo para se comprar é uma decisão que requer muito planejamento! Seja considerando o dinheiro que será investido ou pelo conforto que você busca em sua nova moradia, escolher casas à venda ou o apartamento ideal é algo que precisa de muita paciência e reflexão para concretizar o negócio certo.

E, para garantir que a sua aquisição seja da melhor forma possível, é importante considerar uma série de fatores para garantir que você esteja satisfeito com localização, características do imóvel e outros tópicos que farão da sua nova aquisição um excelente lugar para as suas ambições pessoais.

Pensando nisso, listamos cinco dicas que são muito importantes de serem consideradas antes de adquirir o seu novo imóvel e garantir que a sua nova moradia seja um doce lar para você.

Conheça a região onde vai morar

A primeira dica para escolher onde morar, primeiro de tudo, é ter em mente não apenas para qual região você pretende se mudar, mas como é o bairro e a região que você tem em mente para adquirir um imóvel, observando bem se o local escolhido combina com o teu projeto de vida pessoal e/ou profissional.

Primeiro de tudo, é importante verificar se o local pretendido para moradia combina com o teu estilo de vida, isso é, você prefere morar em um bairro mais movimentado ou mais calmo? A região que você quer estar é mais próxima ou longe do centro? Você quer todos os comércios perto ou estar mais afastado? Perguntas como essas e outras devem ser colocadas no papel e investigadas para optar onde é melhor adquirir o seu imóvel.

Além disso, é importante analisar o preço do metro quadrado em cada bairro e verificar qual se adequa melhor ao seu faturamento, não são raros os casos em que dois bairros que estão bem próximos um do outro possuírem uma variação bem grande de preço, consultar o motivo para isso e se a diferença vale a pena também deve ser considerado.

Por fim, é importante também verificar o potencial que o bairro possui, isso é, se há a possibilidade dele crescer no pequeno ou médio prazo, se ele pode valorizar e se isso pode ou não influenciar futuramente para você em relação ao seu planejamento de local ideal para se morar.

Adeque a escolha às suas possibilidades financeiras

Parece simples, mas uma coisa que precisa urgentemente ser levada em consideração está relacionada às suas possibilidades financeiras de poder adquirir o imóvel, uma vez que muitas pessoas resolvem comprar apartamento e ficam sem condições de arcar com as despesas depois.

Para evitar que o imóvel se torne um peso financeiro para você, é importante considerar toda a sua renda familiar e o preço das parcelas, sendo que elas não devem ocupar mais do que 30% de seus rendimentos, evitando assim imprevistos ou apertos financeiros futuramente.

Além disso, também deve-se considerar outros fatores que podem encarecer o imóvel lá na frente, como juros dos bancos e os trâmites burocráticos para que seja necessário registrar a propriedade em seu nome, sendo importante contar esses valores a mais nos 30%.

Por fim, outro aspecto que deve ser observado é a estabilidade de sua renda familiar: Por mais que imprevistos sempre aconteçam, existe a possibilidade de seus rendimentos caírem por qualquer motivo que seja ou é possível suportar com as finanças a médio prazo para que você possa arcar com as parcelas?

Ambições pessoais no futuro

O seu projeto de vida precisa se refletir no imóvel que será adquirido para você, uma vez que escolher uma moradia é uma decisão que irá se refletir nos seus próximos cinco ou dez anos, no mínimo!

Se você pretender se casar e ter filhos nesse tempo, é importante levar isso em conta para comprar uma casa maior, se você tem a intenção de trabalhar no sistema home office no futuro, também precisa ser levado em consideração para adquirir uma casa com um espaço que se adeque ao seu trabalho, por exemplo.

Deste modo, é possível que todas as tuas ambições, não só no presente, mas também no futuro, possam ser adequados ao seu novo imóvel e ele se tornar o mais aconchegante possível para, além de ser uma excelente moradia no presente, também se adeque ao seus planos futuros sem te deixar no aperto em casa.

Verifique as condições do imóvel

Talvez uma das dicas mais importantes que se deve ter em mente antes de comprar o imóvel: Antes de adquirir qualquer propriedade, sempre marque uma visita e verifique absolutamente todos os pontos, sejam interruptores, fiação elétrica, portas, ou qualquer outra coisa.

Muitas vezes, é possível que haja alguma coisa que necessite ser revista antes de realizar qualquer negócio, mas isso só é possível de saber se for conferido pelo futuro proprietário antes da decisão pela compra ser realizada, uma vez que pode existir muitos reparos necessários.

Com isso, é possível que o apartamento ou a casa usada esteja em perfeito estado antes da conclusão do negócio e não haja nenhum incômodo em seu novo lar para morar com segurança.

Confira todas as documentações

Por fim, após escolher a localização, analisar o imóvel que condiz com as suas ambições e suas finanças, verificar todos os pontos da propriedade e serem realizados todos os ajustes necessários, é importante resolver todos os trâmites burocráticos de maneira correta para, de fato, possuir um bem em teu nome.

Apesar de ser um processo que vai requerer muitos momentos de leitura e muita análise, é importante verificar cada documento que for repassado durante a negociação e ficar de olho se não haverá nenhum erro em relação ao que fora proposto antes, evitando incômodos futuros por erro no contrato.

Também é importante garantir que todos os documentos necessários tenham sido repassados para você, uma vez que a falta de um ou mais deles pode inviabilizar o negócio e causar um despejo inesperado no futuro.

Seguindo estas dicas, é possível se planejar melhor para comprar o melhor imóvel para você e finalmente adquirir aquele que será o teu lar, doce lar.

Fonte: Pelo Mundo DF.

18/09/2020 – Conheça 3 tecnologias anticovid essenciais

Medição de temperatura em grupo, identificação do uso de máscaras e lotação máxima de pessoas são alguns dos recursos dos dispositivos

Pensando em ajudar a manter os cuidados e seguir os protocolos de segurança, o tecnólogo Rubens Branchini listou três principais tecnologias anticovid que todo lugar deve ter para ampliar a sensação de segurança das pessoas presentes:

Câmeras termográficas:

Facilitam a medição de temperatura das pessoas em lugares de grande movimento, por serem fixadas na entrada dos estabelecimentos e evitarem aglomeração (diferente daqueles aparelhos manuais, que tornam inviável a aferição de pessoa por pessoa). As câmeras conseguem medir a temperatura de até 15 clientes ao mesmo tempo e se alguém estiver com a temperatura de 37,8 graus ou mais, disparam um alerta.

Direct Flow – Dispositivo que controla a entrada e acusa lotação máxima de pessoas:

Colocado geralmente na porta, o sistema direct flow (fluxo direto) é um painel que avisa quantas pessoas ainda cabem no ambiente, autorizando apenas o limite programado. Depois disso, avisa aos outros que eles vão precisar esperar mais um pouquinho para entrar. É possível ainda entregar dados mais detalhados do monitoramento como horários em que o local foi mais procurado e quando há mais homens ou mulheres.

Câmeras de reconhecimento facial e identificação do uso de máscaras:

As câmeras que fazem o controle de acesso facial liberam as catracas sem que o funcionário ou convidado precise tocá-la. E, em tempos de pandemia, ainda mede a temperatura e checa se a pessoa está sem febre. De acordo com Branchini, a escolha é ideal para condomínios residenciais, centros empresariais ou clubes. “Você faz o pré-cadastro dos que frequentam o local e eles nem precisam avisar o porteiro”, afirma o especialista.

Fonte: Jornal de Uberaba.