01/06/2020 – Como otimizar seu celular para home office

O isolamento social mudou a rotina de milhares de trabalhadores e o celular passou a ser o meio mais prático para se manter conectado. Ele permite fazer reuniões através de videoconferências, ler e responder e-mails, além de ficar por dentro de todas as atividades do trabalho.

Pensando em deixar a sua rotina no home office ainda melhor, o Canaltech reuniu os melhores acessórios para smartphone que prometem otimizar as funções do seu celular e oferecer novas possibilidades aos aparelhos; confira abaixo:

Tripé para celular

Surgiu uma reunião importante de trabalho e você não quer ficar segurando o celular na mão? Um tripé para celular é uma opção ideal que oferece estabilidade durante as videoconferências e, dependendo do modelo, pode vir até com iluminação dedicada.

Além disso, o tripé é um acessório importantíssimo para criadores de conteúdo, pois traz mais praticidade na criação de fotos e vídeos em casa — sem, necessariamente, precisar de uma segunda pessoa na produção. Existem tripés de diversos tipos que oferecem diferentes funcionalidades. Seus preços variam de R$ 10 a R$ 1.000 e podem ser encontrados nas principais lojas online.

Carregador sem fio

 

O carregador sem fio faz exatamente o que promete: carrega seu celular sem fio. A vantagem em relação aos carregadores tradicionais é a praticidade, já que dispensa o uso de fios e basta encostar a traseira do celular sobre a plataforma — particularmente, é um dos acessórios que mais uso durante meu home office. No entanto, o suporte a carregamento sem fio ainda é uma exclusividade de smartphones topos de linha, então vale a pesquisa para ver se seu celular suporta a tecnologia. Citando alguns modelos: as linhas iPhone 8, X, 11, Galaxy S8, S9, S10, S20 e Note 10 são compatíveis.

Os carregadores sem fio podem ser encontrados nas principais lojas online e, em uma busca rápida pela internet, encontramos acessórios por valores a partir de R$ 40.

PopSocket (suporte de anel para celular)

 

Provavelmente, você já usou ou conhece alguém que ainda usa um suporte de anel para celular. Mais conhecido como PopSocket, estes suportes são fixados na parte traseira do celular e promete mais segurança na usabilidade com apenas uma mão. Além disso, o acessório é uma alternativa mais simples ao tripé, já que pode ser apoiado em superfícies e deixá-lo em pé.

A boa notícia é que o suporte é compatível com qualquer modelo de celular, seja Android ou iPhone, e custa a partir de R$ 10.

Teclado para celular

 

Teclados para celular não são tão comuns para a maioria dos usuários, mas pode ser muito úteis para quem gosta de trabalhar pelo celular ou não tem um notebook. Eles podem ser usados em dispositivos Android por Bluetooth e dão uma experiência mais próxima a um computador. Os teclados podem ser encontrados em lojas online por preços a partir de R$ 50.

Fones de ouvido sem fio

 

Assim como os carregadores, os fones de ouvido sem fio são úteis por conta da liberdade de movimento. Com eles, é possível fazer suas videoconferências sem o amontoado de cabos na frente, além de aproveitar um som de qualidade. Um modelo prático e com preço acessível é o Redmi AirDots, da Xiaomi, que custa entre R$ 150 e R$ 200. No entanto, se você procura por modelos mais robustos pode experimentar os headphones da Sony.

Projetor

 

O projetor também pode ser usado no celular para expandir a tela e visualizar os conteúdos de forma ampla. A conexão pode ser feita por Wi-Fi e, em seguida, basta apontar o acessório para uma parede plana — e de preferência, branca. Imagina conectar o teclado Bluetooth e o projetor no celular? É basicamente um computador improvisado, não acha?

 

Fonte: Canal Tech

30/06/2020 – 6 Dicas que irão aliviar sua dor nas costas

O tempo passado em casa durante a quarentena provocou um aumento nas queixas de dor nas costas. Os relatos médicos sugerem que o incômodo advém de um conjunto de fatores, mas que pode ser aliviado com medidas simples

 

“É totalmente esperado esse crescimento nas queixas”, menciona João Paulo Bergamaschi, ortopedista do Hospital Samaritano à revista Veja. Primeiro, entra em jogo o sedentarismo, comum na quarentena. É que a inércia enfraquece a musculatura que sustenta a coluna – as dores mais comuns são de origem muscular. Mesmo quem malhava há tempos e diminuiu o ritmo sente esse efeito. 

 

Para amenizar o impacto de cada um desses fatores, procure:

 

1 – Evitar trabalhar sentado no sofá ou deitado na cama;

 

2 – Praticar alguma atividade física, pelo menos três vezes na semana;

 

3 – Levantar de tempo em tempo, evitando passar longos períodos sentado ou deitado;

 

4 – Alongar, sempre que der, os braços, as pernas e a lombar;

 

5 –  Sentar-se mantendo a coluna ereta;

 

6 –  Relaxar a mente, pois o estresse constante contrai os músculos involuntariamente.

 

Fonte: Veja e Hapvida Saúde 

29/06/2020 – 4 chás que irão melhorar sua saúde

Grandes aliados no fortalecimento do sistema imunológico, todos os chás contêm polifenóis que inibem o desenvolvimento de células cancerígenas, impedem o fornecimento de sangue ao tumor e incentivam a autodestruição das próprias células cancerígenas. Entre alguns exemplos para revigorar sua saúde, estão:

Chá de Camomila: ajuda na diminuição da ansiedade e insônia;

Erva Doce: auxilia no controle da pressão arterial e contribui para criação de novas células;

Hortelã: com aroma agradável e sabor refrescante, possui efeito calmante e ajuda na digestão;

Cidreira: contém propriedades que diminuem as dores menstruais.

 

De acordo com Nairana Borim, nutricionista do Hospital Oswaldo Cruz, “Os chás também contribuem para a diminuição dos níveis do ‘colesterol mau’, pois melhoram o metabolismo lipídico e têm um efeito antibacteriano significativo, purificando o organismo, eliminando toxinas e combatendo a retenção de líquidos”.

 

Fonte: Hospital Oswaldo Cruz e Hapvida Saúde

 

26/06/2020 – Precauções na convivência com infectados pela Covid-19

O cenário ideal para uma pessoa contaminada é o de ausência completa de contato físico com outros. Entretanto, o que fazer quando ela divide casa com terceiros? Confira os cuidados necessários para evitar possíveis infecções:

 

1 – Como permanecer isolado em casa?

 

É conveniente dispor de um quarto exclusivo para ela, sendo recomendável o não compartilhamento de banheiro. Evitar, na medida do possível, estar com o paciente em outros cômodos da casa, mantendo pelo menos um metro de distância.

– Colocar o lixo do paciente em uma lata com tampa dotada de um saco em seu interior com fecho hermético;

– Garantir uma boa ventilação e uma janela com acesso à rua;

– Para minimizar o contato, o paciente tentará se comunicar com o resto dos parentes ou coabitantes por meio do telefone celular;

– Limitar a circulação pela casa a situações estritamente necessárias;

– Ao sair da sala, recomenda-se o uso de máscara e uma correta higiene das mãos com água e sabão ou um desinfetante à base de álcool.

 

2 – Como limpar a casa?

 

É imprescindível realizar uma limpeza diária completa para evitar novas infecções. Atenção especial deve ser dada às superfícies em que a pessoa infectada possa ter tocado.

– A pessoa responsável pela limpeza deve usar máscara e luvas;

– Para a limpeza, deve ser usada uma solução de água sanitária: uma parte do desinfetante para cada 49 de água;

– Limpar diariamente todas as superfícies de contato frequente: maçanetas, mesas, interruptores, torneiras, vasos sanitários, telefones e teclados;

– A louça e os utensílios devem ser lavados com água quente e sabão, de preferência em uma máquina de lavar louça para alcançar os 60 °C;

– A roupa do paciente pode ser lavada separadamente com o detergente habitual em uma temperatura entre 60.º e 90 °C. Deixar secar totalmente.

 

3 – O que deve ser feito com os resíduos?

 

Um tratamento correto dos restos gerados pode evitar possíveis contágios. É essencial usar elementos de limpeza descartáveis, isolar corretamente o lixo em um saco plástico e fazer uma higiene pessoal completa depois do tratamento desses resíduos.

– Jogar as luvas e a máscara no lixo e lavar as mãos em seguida;

– O lixo deve estar dentro de um saco plástico fechado;

– A toalha da pessoa infectada deve ser usada uma única vez e colocada em um balde específico.

 

Fonte: Prefeitura de São Simão

 

25/06/2020 – Descubra receitas para sua festa junina particular

A pandemia suspendeu uma das comemorações de rua mais tradicionais do Brasil, a festa junina. Impossibilitado de comemorá-la ao ar livre, por que não transformar sua casa em um arraiá particular? Junte sua família, decore o ambiente e prepare a seleção de receitas típicas que separamos para você:

 

Pão de Fubá com Goiabada

 

Ingredientes:

 

Farinha de trigo – 700g

Fubá – 300g

Sal – 10g

Erva Doce – 5g

Açúcar – 150g

Fermento biológico – 20g

Ovos – 2 unid.

Manteiga – 100g

Água – por volta de 200g

Goiabada (pedaço) – 400g

 

Modo de preparo: misture as 200g farinha, o fermento todo e os 200 ml de água até formar uma pasta. Reserve por 15 minutos. Adicione todos os ingredientes à massa que estava separada e um pouco de água. Sove a massa, adicionando a água gradualmente até formar uma massa homogênea. Divida-a em pedaços e deixe descansar por 20 minutos. Modele-a novamente e, em formato desejado, passe na água e no fubá. Se preferir, pode cortá-la em pedaços. Reserve e deixe crescer por 2 horas ou até triplicar o tamanho do pão. Por fim, basta levar ao forno pré-aquecido em 160 °C e assar por 20 minutos.

 

Bolo de milho com queijo

 

Ingredientes:

 

Farinha de trigo – 500 g

Milho-verde – 400 g

Açúcar refinado – 500 g

Leite integral – 500 g

Ovos – 06 unid.

Óleo – 300 ml

Fermento químico – 25 g

Queijo mussarela – 300 g

 

Modo de preparo: coloque no liquidificador o milho-verde, óleo, ovos, leite e o açúcar. Bata por dois minutos. Adicione a farinha, o fermento e mexa manualmente. Coloque, em uma assadeira untada, um pouco da massa e forre com o queijo. Coloque o restante da massa cobrindo o queijo e leve ao forno pré-aquecido em 170 °C. Assar por 40 minutos.

 

Maçã do Amor (por Luzinete Veiga)

 

Ingredientes:

 

2 copos de açúcar cristal

1 1/2 copo de água

1 colher de sopa de pinga

3 colheres de sopa de glucose de milho

corante vegetal vermelho até dar a coloração desejada ao caramelo

15 maçãs pequenas

 

Modo de preparo:

 

Misture todos os ingredientes, exceto as maçãs. Leve ao fogo até virar uma calda em ponto de quebrar. Depois, banhe-as na mistura e espete-as (limpas, uma a uma, com álcool) em palito. Coloque-as em uma superfície untada com óleo (em cima de um mármore ou assadeira). Reserve para servir.

Dica: para saber o ponto da calda, separe um recipiente com água e coloque um pouco de calda. O ponto é quando você ouvir um barulho semelhante ao trincar de um vidro.

 

Canjica com coco (por Guilherme Guzela)

 

Rendimento

10 porções de 200g

 

Ingredientes:

 

500 gramas de canjica

500 ml de leite

1 litro de água

2 caixas de leite de coco

100 gramas de coco ralado

1 lata de leite condensado

a gosto de canela em pó

 

Modo de preparo:

 

Deixe a canjica de molho na água durante a noite (12 horas). Coloque a canjica com a água do molho na panela de pressão. Cozinhe a canjica na panela de pressão com a água e o leite. Deixe pegar pressão e quando começar a chiar, conte 30 minutos. Deixe perder a pressão naturalmente (sem colocar embaixo da água). Abra e coloque o leite condensado, o coco ralado e o leite de coco. Mexa bem e cozinhe mais alguns minutos para encorpar um pouco mais. Sirva com canela em pó por cima.

 

Fontes: Gazeta do Povo e A redação.

24/06/2020 – Mantenha o equilíbrio emocional das crianças na quarentena

Mais telas, mais sobremesas, mais “sim” e o “não” passou a ser usado só para situações inevitáveis. Para manter a saúde emocional das crianças – e dos adultos – que estão a cerca de 90 dias em isolamento social, não há apenas uma resposta certa, mas em comum está a liberdade maior do que nos períodos em que as crianças podiam circular livremente.

 

“Eu abri mão da cobrança em relação a escola, se está disposto faz, se não quiser, não cobro”, diz a médica Lorena Tostes, 44 anos mãe de duas criança, uma de sete e outra de quatro anos.

 

“Eu abri mão da pressão de dormir cedo e acordar cedo. Deixo elas mais livres. Também não estou controlando muito tablet. Guloseimas mais liberadas também. Resumindo: perda de controle total”, conta a médica Daniela Barra, 39 anos, mãe de duas meninas.

 

Revisitar os acordos é uma das atitudes “básicas” para manter o equilíbrio emocional dos filhos na quarentena, de acordo com a psicóloga Roberta Desnos, coordenadora pedagógica do Laboratório Inteligência de Vida.

 

Segundo Roberta, acreditar que as regras anteriores a pandemia podem continuar sendo seguidas sem alteração é um forte equívoco. “As rotinas foram alteradas drasticamente, e por isso de tempos em tempos é preciso rever o que foi combinado com as crianças e fazer as adaptações necessárias para diminuir os possíveis conflitos gerados pela intensidade da presença e a restrição de saídas e deslocamentos.”

 

Para a psicóloga, é importante também ampliar o diálogo e explicar a situação. “Converse com as crianças de maneira tranquila e honesta e de acordo com a capacidade de compreensão de cada idade. Não infantilize a criança ou desconsidere sua percepção da realidade. As crianças estão passando por esse período de distanciamento social e também tiveram suas vidas alteradas, portanto também precisam ser consideradas como sujeitos”. Segundo Roberta, o momento serve para explicar sobre o novo coronavírus, incentivando as crianças a desenhar o vírus, seus medos, os desejos pós pandemia e, claro, a própria família.

 

“Reforçar que essa situação é passageira que elas não estão sozinhas e podem contar com o seu cuidado como adulto é muito valioso. O tempo todo as crianças estão fazendo leituras e tentando compreender o mundo e muitas vezes se sentem responsáveis ou culpadas ao perceber que algo está errado. Converse com seu filho e filha sobre o que está acontecendo e sempre pergunte suas opiniões e versões sobre o que ele ou ela acha que tudo isso significa”.

 

A rotina mudou, mas ainda é importante manter uma organização para lidar melhor com o distanciamento social. A psicóloga incentiva a planejar o dia e as atividades, para que as crianças tenham um ambiente seguro que favoreça a diminuição de sintomas como estresse e ansiedade.

 

“Estabelecer horários para dormir, acordar, fazer as refeições, assim como as atividades escolares e de lazer, pode promover maior bem estar em todos os membros a família. Não é preciso ser algo extremamente rígido, mas estabelecido de modo a favorecer a dinâmica da casa”, destaca.

 

A chefe de gabinete parlamentar Patrícia Paraguassu, 37 anos, mãe de uma menina de 7 anos, viu, na prática, que liberar demais só deixou as coisas mais complicadas. “Ela antes gostava mais das aulas, tinha mais paciência. Agora está desinteressada. Eu liberei de assistir algumas aulas, achei que poderia ficar cansativo e, acabei liberando. Daí agora ela corre pra TV e, se deixar, não sai mais. Percebi que não adianta ceder tanto. As vezes eu acho que a rotina tem que ser mantida de alguma maneira”, conta.

Segundo a psicóloga, é preciso preservar tanto a brincadeiras e jog

os estruturados e direcionados, como momentos de livre brincar. Na casa da médica Roberta Catarfina, 37 anos, a brincadeira aumentou. “Tempo de tela aumentou e nós compramos um vídeo game, compramos uma segunda cachorra, começou aula de guitarra, anda de skate todos os dias, assiste aula apenas duas ou três vezes na semana e faz 50% das tarefas ou menos”, conta.

 

Na casa de Magali Dantas, 51, a servidora pública também investiu nas brincadeiras. “Além das sobremesa todos os dias e noites, teve chuteiras, patinete, bike. Já teve três natais aqui”, diz.

 

“As crianças precisam se movimentar e por conta da diminuição considerável das atividades físicas, não podemos neglicenciar o corpo nesse momento tão atípico. Se possível, faça jogos e circuitos para que as crianças pulem, dancem, corram e etc. Investir em atividades artísticas como pintura, desenho, contação de histórias é fundamental para as crianças darem vazão ao que estão sentindo também”, destaca a psicopedagoga.

 

Descanso: Crie hiatos entre as atividades, para não fazer nada por um breve instante. Lidar com o tédio é um aprendizado importante no auto-conhecimento, gestão das emoções e o desenvolvimento do potencial criativo.

 

Autonomia: estimule atividades e depois deixe a criança brincar sozinha. Identifique junto com ela quais são as ações que são possíveis serem realizadas sem a ajuda de um adulto (se vestir, escovar os dentes).

 

Tarefas domésticas: Inclua as crianças na realização das atividades. Além de ajudar a desenvolver a autonomia, isso aumentará o senso de responsabilidade e favorece a manutenção dos vínculos familiares.

 

Uso de telas:  Nesse momento flexibilizar o uso das telas é algo necessário, mas é preciso estar atento ao tempo adequado de acordo com a idade da criança e evitar uso sobretudo nas horas que antecedem o sono.

 

Sono: assegurando sonecas ao longo do dia (se forem bebês ou crianças pequenas), estabeleça rituais de sono pouca luminosidade, aparelhos eletrônicos fora do ambiente ou desligados.

 

Rede social: Estimule que a criança mantenha algum tipo de contato com as crianças e adultos que faziam parte da sua vida antes da pandemia.

 

Humanize-se: Mostrar que você também fica preocupado em alguns momentos, que sente saudade das pessoas que não pode ver e que experiência tristeza e alegria, assim como ela, fará com que ela não se sinta só e entenda que as oscilações são naturais nesse momento.

 

Fonte: Gazeta Web

23/06/2020 – 7 Dicas para melhorar seu home office

Como está sua adaptação ao home office? Se acha que está boa, saiba que pode melhorar ainda mais. Suavizar as mudanças de rotina e o aumento de responsabilidade ocasionado pelo novo coronavírus é possível com pequenos ajustes que melhoram a maneira como você encara seu dia a dia.

 

Um estudo realizado neste ano pela Fundação Getulio Vargas (FGV) aponta que 30% das empresas brasileiras devem manter o home office em suas jornadas após a pandemia. E mais: uma pesquisa online feita pela Robert Half com mais de 800 pessoas indica que, mesmo com uma carga de trabalho maior, 86% dos entrevistados gostariam de continuar atuando remotamente.

 

Essa é uma tendência que veio para ficar, então que tal conferir nove dicas para home office em que você não tinha pensado ainda e que podem fazê-lo se sentir, definitivamente, em casa? Quem nos ajudou nessa seleção de dicas foi a Intel.

 

1. Utilize a TV como monitor sem fio

 

Múltiplas telas são sinônimo de melhor organização. Quando você utiliza ao menos dois monitores, a visualização de tarefas é otimizada, ficando mais fácil de ler e consultar quaisquer informações. Para isso, não é preciso realizar um investimento em novos equipamentos logo de cara. Atualmente, várias TVs permitem a conexão por meio de cabos HDMI e até remotamente, podendo ser configuradas diretamente no PC. Reuniões remotas vão se tornar uma nova experiência profissional. Espelhar o conteúdo do computador não exige muito trabalho. Conecte a Smart TV ao Wi-Fi ou a aparelhos como Chromecast. Configurações intuitivas fazem parte dessa novidade.

 

2. Ajuste a luz do ambiente

 

Ergonomia é fundamental para a saúde, e ajustar a luz do seu canto de trabalho faz parte do conjunto de práticas para preservar o bem-estar físico e psicológico, já que ambientes mal iluminados podem causar tensão nos olhos, estresse e fadiga.

 

Um estudo de 2014, realizado por pesquisadores da Northwestern Medicine e da Universidade de Illinois, revelou que trabalhadores que tiveram mais exposição à luz natural dormiram mais e melhor à noite. Portanto, aqui vão algumas dicas: não se sente de costas nem de frente para a janela, para não bloquear ou ficar diretamente exposto à luz. Mesmo no caso de luminárias e lâmpadas, a luz precisa ser uniforme; nada de apertar os olhos ou de prejudicar sua visão com reflexos no monitor.

 

3. Escute músicas que ajudem na concentração

 

Mitzi Baker, da Universidade Stanford, com o auxílio de ressonâncias magnéticas, analisou a atividade cerebral de pessoas antes, durante e depois de ouvirem uma sinfonia. O resultado? A música ativou regiões do cérebro relativas a atenção, capacidade preditiva e memória.

 

Por isso, aproveite o espaço e a liberdade proporcionados pelo home office para criar uma lista de músicas que auxiliem nos processos do dia a dia. Fique atento para não selecionar faixas que atrapalhem o seu foco. Vai do gosto musical e do objetivo de cada um, então experimente.

 

4. Tenha cuidado com o almoço

 

Estabelecer uma rotina saudável de almoço não diz respeito apenas a alimentos sem gordura ou com pouco açúcar. Uma pesquisa da WW Vigilantes do Peso com mais de 2 mil entrevistados indicou que 47% acham mais difícil manter uma alimentação saudável durante a quarentena, mas que um bom planejamento alimentar pode ajudar nessa tarefa.

E isso envolve, além da definição de itens a serem consumidos, um momento dedicado à preparação de marmitas. Cozinhando o almoço

da semana de uma só vez, você pode aproveitar o intervalo tranquilamente e, quem sabe, ter até tempo para uma sonequinha.

Mas atenção: nada de almoçar ou de dormir na frente do computador. Não se esqueça de que você está em casa, por isso tem uma liberdade maior e deve cuidar da saúde com os benefícios proporcionados pela modalidade.

5. Adote um animal

 

Espantar a solidão do distanciamento dos colegas é bem simples: animais de estimação podem trazer mais alegria ao seu home office. Psicólogos relatam avanços significativos em tratamentos quando um pet entra na rotina dos pacientes.

Não se esqueça, entretanto, de que é necessário ter muita responsabilidade com o companheirinho escolhido. Ele precisa de carinho, cuidado e atenção tanto quanto você, o que inclui a escolha de ração adequada, vacinação e acompanhamento veterinário. Depois, é só aproveitar o chamego proporcionado.

6. Decore o ambiente com plantas

 

Plantas ornamentais são capazes de modificar completamente o seu escritório pessoal, e um estudo da NASA indica que elas ajudam a absorver poluentes e a filtrar a água do ar. Na hora de escolher quais farão parte da sua rotina, estude o local no qual serão colocadas e o que é necessário para mantê-las vivas e agradáveis.

Opções não faltam: samambaia, renda-portuguesa, jiboia, cactos e suculentas, pacová, espada-de-são-jorge, maranta, lírio-da-paz, antúrio e violeta certamente trarão uma cor a mais para seu trabalho remoto. Pesquise a sua favorita.

 

7. Converse com quem mora com você

 

Conciliar rotinas é essencial para o bom andamento do dia a dia em trabalho remoto, por isso, caso more com mais de uma pessoa, não deixe de ter uma conversa franca sobre os limites de cada espaço e a necessidade de silêncio nas horas em que for preciso. Ninguém quer que uma reunião virtual seja atrapalhada ou que a concentração seja prejudicada.

Paciência e compreensão devem ser aplicadas a todo momento, afinal trata-se de uma rotina nova para todos os envolvidos. Não se esqueça, também, de que videoconferências dependem de um conjunto de práticas para funcionarem bem. Estude as configurações dos aplicativos utilizados e não deixe de entender como ligar e desligar o microfone de maneira agilizada; normalmente, existem atalhos logo na tela inicial de visualização da conversa — ative-o somente quando for falar, pois isso permite que todos se entendam perfeitamente, sem ruídos incômodos.

Mãos à obra

 

Agora que você percebeu que não é difícil tornar tudo melhor, considere investir em equipamentos de qualidade para a sua atuação, porque eles serão suas ferramentas mais potentes na hora da produtividade. A Intel fornece tutoriais detalhados de suas soluções e equipamentos diversificados para todas as necessidades, além de suporte exclusivo.

Depois de seguir todas as dicas e estruturar seu setup ideal, você poderá ter conforto, comodidade e, finalmente, poderá colocar mãos à obra. Tendo mais algum conselho, não deixe de compartilhar.

 

Fonte: Tecmundo

22/06/2020 – ENTENDA PROTOCOLO DE REABERTURA GRADUAL DOS CONDOMÍNIOS

A ABADI elaborou, em parceria com o Secovi Rio, o Protocolo de Reabertura das Áreas Comuns. O documento foi desenvolvido com base em diretrizes divulgadas pelas autoridades municipais e estaduais do Rio de Janeiro, composto de regras exclusivas para condomínios.

 

“O Protocolo que desenvolvemos, observando o planejamento do poder público e traduzindo para o cotidiano condominial, é uma forma de auxiliar nas decisões dos síndicos em um momento tão delicado. A pressão por reaberturas das áreas comuns deve subir nos próximos dias e precisamos garantir que esse processo seja consciente, gradual e adotando as melhores práticas”, destaca Rafael  Thomé, presidente da ABADI.

 

No Protocolo, as entidades elaboraram uma tabela de evolução da liberação de atividades ao longo das fases criadas pela Prefeitura do Rio de Janeiro. A finalidade é que o síndico tenha o respaldo nesse material para as tomadas de decisões nessa etapa.

 

“Nosso desejo e nosso trabalho é no sentido de que os condomínios possam voltar de forma harmônica e equilibrada a retomar suas atividades nas áreas comuns e, sobretudo, de forma segura e protegendo a saúde de todos”, afirma Pedro Wähmann, presidente do Secovi Rio.

 

Além das orientações, o Protocolo dispõe das Regras de Ouro da Prefeitura do Rio de Janeiro, disponível para download para que o síndico disponibilize-as nas áreas comuns do condomínio, além de folders do uso correto da máscara e de conscientização de moradores e colaboradores.

 

O Protocolo de Reabertura das Áreas Comuns do Condomínios está disponível para download aqui.

18/06/2020 – Quarentena sem crises

Apesar da diminuição na aderência, muitas pessoas ainda se mantém fiéis à quarentena. Entretanto, mesmo cercados por despensas cheias de comida, filmes em plataformas de streaming e entes queridos na sala ao lado ou online, ficar em casa na quarentena não tem sido fácil.

 

Sempre que as pessoas sofrem uma grande interrupção em sua rotina e perdem seus “reforçadores de ritmo social” – indo à escola ou ao trabalho ou participando de eventos sociais – é uma sacudida. Depois, há o tédio, a perda de liberdade e incerteza sobre o que acontece a seguir.

 

Abaixo, algumas dicas:

 

  1. Concentre-se no bem que você está fazendo pelos outros.

Lembre-se sempre: você está fazendo a sua parte na proteção das pessoas vulneráveis no seu bairro e na comunidade que correm risco de sofrer a forma grave da COVID-19. De fato, saber que outros se beneficiarão de suas decisões e as autoridades de saúde são genuinamente gratas por seus esforços podem facilitar situações estressantes.

 

2. Mantenha uma rotina diária

 

Mantenha um cronograma semelhante ao que você tinha antes do início da pandemia: acorde em um horário consistente, vista-se, coma no horário, reserve um tempo para se exercitar e siga o estilo de vida que sempre teve. Em outras palavras, não fique de pijama o dia inteiro.

 

3. Inicie um diário

 

Documentar esses tempos estranhos pode ser memorável e terapêutico. Quando você olhar para a Grande Quarentena de 2020, pode ser difícil acreditar que todas essas coisas realmente aconteceram.

 

4. Mantenha uma visão objetiva e realista

 

Nossa mente pode criar cenários onde parece que isso pode durar para sempre. Resista a pensar assim. Mantenha-se informado, obtendo suas informações de sites confiáveis e questionando rumores.

 

5. Enfrente os projetos que você está adiando

 

Comece um jardim, atualize seu currículo, lide com alguns projetos de melhoramento da casa ou escreva um livro. Considere isso uma oportunidade para fazer algo produtivo.

 

Fonte: Vale news

17/06/2020 – Retomada de Indicadores Imobiliários com dados estratégicos para o setor

 

Indicadores são sempre importantes para ajudar no planejamento e em novas ações para diferentes setores econômicos, especialmente no momento crítico que estamos vivendo por conta da pandemia da Covid-19. Isso porque as empresas precisam de dados cada vez mais confiáveis para auxiliar na tomada de decisões, na busca por oportunidades e no gerenciamento dos desafios.

 

Foi pensando nisso que o Secovi Rio e a ABADI se reuniram nesta terça-feira (16) com cerca de 50 representantes de administradoras de imóveis para apresentar o projeto de retomada de Pesquisas e Indicadores, que visa divulgar dados sobre inadimplência de condomínios, valores de cotas condominiais, quantidade de funcionários nos condomínios da região, além de dados sobre locação, garantias utilizadas, número de inadimplentes etc.

 

O projeto também contempla a segmentação de dados por bairros e regiões, o que traz mais precisão para o trabalho das administradoras e ainda serve como referência para todo o setor imobiliário do Rio de Janeiro.

 

“A retomada deste projeto é muito relevante para o mercado imobiliário, pois auxiliará diversas empresas na compreensão e análise do ambiente competitivo, na tomada de decisões estratégicas e ainda auxiliará a imprensa na divulgação de informações altamente precisas coletadas por meio do Centro de Pesquisa e Análise da Informação (Cepai) do Secovi Rio”, afirma Leonardo Schneider, vice-presidente do Secovi Rio.

 

Após a reunião, o Secovi Rio e a ABADI se comprometeram a entrar em contato com os participantes para esclarecer dúvidas, explicar os próximos passos da iniciativa e como funcionará o envio dos relatórios de indicadores.

 

“Este importante projeto sobre os indicadores do mercado, reforça o interesse constante da ABADI e do Secovi Rio em desenvolver um conhecimento profundo sobre o mercado imobiliário, fortalecendo cada vez mais a atuação das administradoras e informando a sociedade um todo.”, finaliza Rafael Thomé, presidente da ABADI.

 

Fonte: Secovi Rio