Construções, reparos e obras costumam oferecer desconforto para moradores próximos. Apesar de um proprietário ou inquilino ter total direito de realizar o necessário dentro de seu apartamento, é preciso que o mesmo tenha noção das convenções condominiais e que faça o possível para amenizar possíveis inconvenientes para vizinhos.

Lei do silêncio é uma das máximas de um condomínio, independente da situação. Recorra ao gestor ou regulamento do ambiente, de modo a não ultrapassar os horários corretos para a atividade. 

Poeira e dejetos são partes inerentes ao processo. Entretanto, meios precisam ser encontrados para amenizar esses problemas. Procure sempre manter a limpeza da área, corredor, elevadores, escadas, para que não gerem inconvenientes. O lixo e seu descarte é obrigação do benfeitor, portanto se lembre ou relembre o profissional responsável de realizar o despejo correto dos resíduos;

→ Verifique a possibilidade da obra antemão a realização. Algumas podem gerar malefícios à estrutura do prédio ou de unidades inferiores/superiores. Procure o síndico e certifique-se de obter um laudo de um profissional capacitado, caso seja necessário.

Comunicação é a chave para um bom relacionamento com seus vizinhos e síndico. Mantenha-os informado sobre o prazo e início dos reparos. É bom manter em mente que essas situações podem ocorrer em qualquer unidade, devendo haver uma certa tolerância por parte dos outros moradores, quando tudo é realizado dentro das normas;

→ É fundamental que sejam contatados profissionais especializados na obra ser feita, de modo em que nenhum problema técnico surja sem possibilidade de conserto. Devem sempre respeitar as convenções internas ao condomínio para prestação de serviços, principalmente durante a pandemia.

No período em que vivemos, esse contato com gestores e vizinhos são importantes para manter um ambiente saudável e com bem-estar geral. Esteja disposto a reconhecer os benefícios e malefícios que uma obra pode oferecer e procure um meio-termo que seja agradável a todos os envolvidos. 

 

Fontes: Correio Braziliense; Condomínio SC; Hoje Em Dia.