Número de imóveis para aluguel no Rio cresceu 213% nos últimos três anos

Depois de anos de aluguéis em alta, os inquilinos do Rio estão com mais poder de negociação. O motivo é a crise econômica, que derrubou os preços dos imóveis e aumentou a oferta para locação. De janeiro de 2012 a março deste ano, o número de apartamentos e casas para alugar na cidade subiu 213%.

No mesmo período, o preço dos aluguéis avançou 9,13% no Rio, bem abaixo da inflação medida pelo IPCA, que acumulou 32%. E mesmo assim, há imóveis vazios: são 6.449, segundo o Sindcato da Habitação do Rio. Há três anos, eram apenas 2.181 disponíveis.

A funcionária pública Iruaci Carvalho é dona de um apartamento em São Cristovão, que está vazio há um ano. As ofertas que ela recebe para locação são bem abaixo do valor pretendido:

“Acontece que a maioria das pessoas estão inadimplentes. Tem esse detalhe muito importante e eu já disse “não vou alugar meu apartamento para quem está inadimplente”. Então não adiantou abaixar o aluguel, a situação ficou a mesma coisa. Está lá o apartamento. Já recebi propostas bem menores, mas não vale a pena porque você vai alugar um apartamento que vale 1.300 reais por 500 reais? Eu prefiro ficar com ele vazio”.

Mas deixar o imóvel vazio tem o seu custo com contas e taxas de condomínio. Para evitar essa despesa, o aposentado Marcos Mendes resolveu baixar o valor do aluguel dos dois apartamentos que ele têm em Guadalupe. Para fechar negócio, o desconto para os inquilinos chegou a 15%.

“Eu acho que o melhor investimento é o imóvel. Ainda hoje, apesar da violência que estamos no Rio de Janeiro, ainda acho que é o melhor investimento. Devido ao mercado eu tive que demorar um pouquinho. Tive que reduzir um pouco o preço e alugar. E aí eu fiz muita propaganda e consegui alugar”.

De acordo com o vice-presidente do Secovi Rio, o mercado de vendas vem esfriando desde 2014 e, com isso, o aluguel é uma opção para tentar reaver o dinheiro aplicado. Leonardo Schneider diz que a negociação na hora da compra até pode existir, mas sem abrir mão da burocracia na hora de firmar a transação.

“O mercado parou para a venda e acabou entrando para a locação. O que está acontecendo hoje é que o proprietário talvez esteja mais consciente que ele precisa se flexibilizar para poder alugar aquele imóvel. Mas na documentação a gente nunca recomenda que tenha essa flexibilização. É importante que se tenha um fiador, ou seguro fiança e título de capitalização. É mais, por exemplo, em relação a preço, oferecer algo mais no imóvel, ou alguma coisa que possa se destacar da concorrência”.

A produtora cultural Lisiane Mayão aproveitou que a vantagem está com o inquilino para renegociar o seu contrato de aluguel no início do ano. Moradora do bairro de Fátima, ela conseguiu um desconto de duzentos reais na renovação de um apartamento de dois quartos.

“Como a gente sabia que o contrato iria acabar, e a gente não sabia se ela iria renovar, a gente deu uma pesquisada em outros lugares. E aí a gente começou a ver e teve essa noção de que as coisas estavam caindo. A gente até chegou a fazer uma obra aqui e não foi descontado e a gente sempre pagou em dia, então eu acho que isso fez a diferença”.

De acordo com especialistas, este cenário de desaquecimento do mercado de imóveis tende a se manter enquanto as incertezas políticas e econômicas persistirem. Com os preços em baixa, a melhor opção para os proprietários é colocar o imóvel para alugar. E para os inquilinos, com o aumento de oferta, é hora de pesquisar e negociar para garantir um bom desconto.

(CBN Rio)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *