Aqui no Rio de Janeiro, o Dia do Síndico é comemorado em 23 de abril. Por isso, para homenagear estes profissionais que trabalham em parceria direta conosco, conversamos com alguns síndicos parceiros da Zirtaeb, para saber um pouco mais sobre o seu dia a dia na função, como e porque assumiram esse cargo e muito mais. Confira!

Para Sarah Toledo, síndica do Condomínio Dom Eugênio, entre outros, ser síndica não foi uma escolha. Ela, que atua há 10 anos na função, também é psicóloga e arquiteta, e começou a trabalhar como síndica: “No início não foi uma escolha, mas agora é”, conta. Ela também lembra que, apesar de, muitas vezes, ser uma função complicada, ser síndico pode ser muito gratificante: “Uma vez, em um condomínio em Copacabana, um senhor que estava abandonado pela família quase colocou fogo no prédio umas três vezes. Então, resolvi fazer uma denúncia de abandono de incapaz na Prefeitura, e a família acabou aparecendo para interná-lo. Após um tempo, quando ele voltou para casa, me ligou para agradecer, dizendo que tinha salvado a sua vida. Esse foi um momento marcante”.

Também existem casos de pessoas que acabam assumindo o cargo de síndico por acaso. É o que aconteceu com Valdírio, que é síndico há 19 anos, e que, dentre outros, cuida do Condomínio Estrela do Leste: “Estava há 18 anos no mercado segurador, mas no período de crise pós governo Collor, acabei ficando desempregado. Foi quando surgiu a oportunidade como administrador, e eu aproveitei. No início era mais difícil, mas agora eu gosto e atuo como síndico profissional.” Valdírio também falou sobre as dificuldades e felicidades dessa função: “Todos os dias tem um fato novo. Um síndico não pode ter muita vaidade, pelo menos o profissional, já que todo dia tem uma situação diferente para lidar. É complicado, às vezes. Mas é muito gratificante ser reconhecido como profissional por pessoas da área e empresas.” Para Marcos Bastos, do Condomínio Rita Ludolf e outros, que é síndico há 6 anos, a parte mais gratificante é a relação com os condôminos o funcionários, e a maior dificuldade é com os prestadores de serviços. Mas como ele entrou nessa carreira? “Achei muito atrativo, por ser um mercado profissional totalmente novo”.

Com quase 30 anos de experiência no cargo, Dalton Carvalho, síndico de vários condomínios, como o Garagem do Carmo, explica como começou a exercer a função: “Não sei o porque, mas acho que fui escolhido. Eu era da Marinha e lá já realizava atividades parecidas com as do síndico. Com isso, resolvi atuar no cargo”. E ele ainda dá algumas dicas: “Para ser um bom síndico, é necessário ter três coisas: paciência com as pessoas, tempo e conhecimento. Ser síndico é uma coisa muito séria, pois você mexe com a vida das outras pessoas, com o dinheiro delas”.

Nesta data especial, gostaríamos de agradecer a todos os nossos síndicos parceiros pelo excelente trabalho exercido. E, claro, parabenizá-los pelo seu dia. Continuamos juntos!