Medição de temperatura em grupo, identificação do uso de máscaras e lotação máxima de pessoas são alguns dos recursos dos dispositivos

Pensando em ajudar a manter os cuidados e seguir os protocolos de segurança, o tecnólogo Rubens Branchini listou três principais tecnologias anticovid que todo lugar deve ter para ampliar a sensação de segurança das pessoas presentes:

Câmeras termográficas:

Facilitam a medição de temperatura das pessoas em lugares de grande movimento, por serem fixadas na entrada dos estabelecimentos e evitarem aglomeração (diferente daqueles aparelhos manuais, que tornam inviável a aferição de pessoa por pessoa). As câmeras conseguem medir a temperatura de até 15 clientes ao mesmo tempo e se alguém estiver com a temperatura de 37,8 graus ou mais, disparam um alerta.

Direct Flow – Dispositivo que controla a entrada e acusa lotação máxima de pessoas:

Colocado geralmente na porta, o sistema direct flow (fluxo direto) é um painel que avisa quantas pessoas ainda cabem no ambiente, autorizando apenas o limite programado. Depois disso, avisa aos outros que eles vão precisar esperar mais um pouquinho para entrar. É possível ainda entregar dados mais detalhados do monitoramento como horários em que o local foi mais procurado e quando há mais homens ou mulheres.

Câmeras de reconhecimento facial e identificação do uso de máscaras:

As câmeras que fazem o controle de acesso facial liberam as catracas sem que o funcionário ou convidado precise tocá-la. E, em tempos de pandemia, ainda mede a temperatura e checa se a pessoa está sem febre. De acordo com Branchini, a escolha é ideal para condomínios residenciais, centros empresariais ou clubes. “Você faz o pré-cadastro dos que frequentam o local e eles nem precisam avisar o porteiro”, afirma o especialista.

Fonte: Jornal de Uberaba.