Você já ouviu falar sobre os 5 C’s que podem causar conflitos em condomínios? São eles: Cota condominial, canos, cachorros, carros e crianças.

Estes são os assuntos mais “polêmicos” no dia a dia dos moradores, e grande parte das confusões acontecem por causa deles. Em boa parte das vezes, estes problemas podem ser resolvidos com diálogo e bom senso. Mas, para evitar que cheguem a acontecer, separamos aqui algumas dicas. Confira:

Carro:

Sempre existe aquele morador que estaciona o carro fora da vaga, que ocupa duas ao mesmo tempo, que utiliza a garagem como depósito ou que anda acima do limite de velocidade. Para evitar que isso aconteça, o condomínio deve ter regras claras sobre o uso da garagem, como o limite de velocidade, tamanho das vagas, etc.

O ideal é que as vagas tenham um tamanho suficiente para acomodar desde um carro compacto a uma caminhonete ou SUV. Além disso, o condomínio também deve ficar atento às vagas especiais, para idosos e deficientes.

Crianças:

Ao falar de crianças em condomínios, o principal problema é, sem dúvidas, o barulho. Além disso, quando sozinhos, os pequenos podem ocasionar alguns danos aos condomínios, como paredes rabiscadas, objetos quebrados ou, na pior das hipóteses, funcionários desrespeitados. Nestes casos, os pais ou responsáveis devem ser chamados inicialmente, e, depois, ser cobrado o prejuízo ou a aplicação da multa.

No regulamento interno, devem constar as condições de usos de áreas comuns, piscinas, academias, salões de jogos, brinquedotecas, quadras e playground. O condomínio deve proporcionar a segurança para as crianças, mas a responsabilidade sobre elas é se seus responsáveis.

Uma saída interessante e divertida é a criação do cargo de síndico mirim. Uma criança pode ser eleita para levar as solicitações e sugestões de todos os pequenos até a gestão atual. Além disso, o síndico mirim também deve ficar de olho em seus amiguinhos, para que não quebrem ou estraguem nada.

Cota condominial:

A inadimplência é um fantasma de diversos condomínios, já que afeta seu caixa, prejudicando sua manutenção periódica. Para evitar que isso aconteça, o síndico deve acompanhar de perto a situação, ter um processo adequada de cobrança das taxas atrasadas, estar aberto a novas negociações e, além disso, aplicar as medidas de segurança cabíveis na legislação atual.

Cano:

O grande problema com os canos é que eles ficam escondidos, atrapalhando, muitas vezes, na identificação dos problemas. Os mais comuns são as infiltrações e os vazamentos.

Ao identificar o problema e a sua origem, com a ajuda de um encanador ou engenheiro, o morador poderá ter uma ideia melhor sobre como proceder para resolvê-lo o mais rápido possível e minimizando transtornos e gastos.

Cachorros:

Os animais de estimação já fazem parte das famílias. Para evitar dores de cabeças com os vizinhos, é importante que os donos dos pets tenham alguns cuidados. O barulho dos cachorros, junto ao odor, a segurança e a utilização de áreas comuns, são as principais fontes de reclamações referentes a este assunto nos condomínios.

Mais uma vez, o bom senso deve prevalecer, de ambas as partes. O condomínio deve ter normas definidas para o uso das áreas comuns, assim como, os donos devem prestar atenção para não deixar sujeiras, evitar o barulho (especialmente em horários inapropriados) e zelar pela segurança dos demais moradores (se for um cão de grande porte ou que não seja manso, é indicado o uso de coleira e focinheira).