Centro financeiro em pauta: poder público busca transformar região

O centro financeiro da cidade do Rio de Janeiro, uma área de 286.885 metros quadrados, delimitada pela Rua Uruguaiana, Avenida Presidente Vargas, Rua Primeiro de Março e Avenida Nilo Peçanha, passa por trabalhos de recuperação no âmbito do programa Centro para Todos, estruturado para tornar mais efetiva e ordenada a transformação do Centro Histórico do Rio.

Desde o início do mês, as equipes estão atuando no centro financeiro. As ações têm foco nas ruas Buenos Aires, Ouvidor, Quitanda e São José, e trecho da do Rosário, e no entorno. Para otimizar o trabalho, a prefeitura dividiu o Centro do Rio em oito áreas de atuação – Praça XV, Cinelândia, Lapa, Cruz Vermelha, Saara, Castelo, Financeiro e Praça Tiradentes (que estreou o programa “Centro para Todos”), em julho.

A cada mês as equipes trabalharão em dos oito locais mapeados. Segundo a prefeitura, o Centro Histórico do Rio representa 50% de toda a região central da cidade, e é uma das áreas mais importantes no âmbito cultural e histórico, com potencial de reocupação residencial.

“A primeira etapa, na Praça Tiradentes, funcionou como um grande laboratório. Já conseguimos perceber uma diferença nas áreas que trabalhamos no entorno, como uma melhoria de iluminação das ruas prioritárias. Também existem trabalhos que são constantes, como a abordagem de moradores de rua, manutenção de calçadas e limpeza, e uma constante fiscalização. O maior desafio dos trabalhos na região do Centro Financeiro é o da fiscalização de irregularidades. Precisamos reposicionar mobiliários urbanos, como bancas de jornal, e destacar belezas escondidas. Por exemplo, nas esquinas das ruas São José e Quitanda, existe um belo painel artístico pouco conhecido e visto”, explicou o presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), Washington Fajardo.

Para executar as melhorias, diversos órgãos da Prefeitura do Rio foram divididos em dois grupos, como operacional e institucional. A parte operacional envolve representantes do IRPH, Companhia de Engenharia de Tráfego (CET-Rio), Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb), Guarda Municipal, RioLuz, e das secretarias municipais de Conservação e Serviços Públicos (Seconserva), Ordem Pública (Seop), e Desenvolvimento Social (SMDS).

Estes órgãos realizarão ações para tornar as áreas mais ordenadas, seguras, limpas e iluminadas. Os representantes se reúnem periodicamente para fazer vistorias nos locais, montar os planos de ação e implantar as soluções para as regiões. O grupo institucional é formado pelas secretarias municipais de Urbanismo, Fazenda e Meio Ambiente, Instituto Pereira Passos, IRPH e Procuradoria Geral do Município. O objetivo é apoiar e dar estrutura para a execução das ações das equipes do grupo operacional.

A cada mês, os esforços das equipes estarão concentrados numa região. O objetivo é que ao fim de oito meses, todo o Centro Histórico esteja mapeado e com ações sendo implantadas em todas as oito regiões simultaneamente.

Praça Tiradentes

Em julho, a região da Praça Tiradentes foi a primeira a receber as ações do programa. Na Rua Gomes Freire, a Seconserva trabalhou na reforma das golas das árvores e na recomposição das calçadas e a Seop retirou bancas de jornal desativadas que impediam a travessia de pedestres. No Largo São Francisco de Paula, a Guarda Municipal está intensificando as rondas noturnas e a Cet-Rio removeu as vagas para estacionamento de motos que dificultava a visualização da fachada da igreja histórica construída em 1801. As vagas forma transferidas para a Rua Luís de Camões. Na Rua da Carioca, a Comlurb fez a poda das árvores para melhorar a iluminação. No Largo da Carioca, a Seop retirou as plantas de uma floricultura que escondiam o chafariz do local.

A Fundação Parques e Jardins está realizando o plantio de mudas nas golas que estavam vazias na Rua dos Inválidos. Ainda serão realizados plantios nas ruas da Carioca, Uruguaiana, Praça Tiradentes e Av. Gomes Freire. A Guarda Municipal e a Comlurb intensificaram a fiscalização da campanha Lixo Zero na Praça Tiradentes e no Largo do São Francisco. A ideia é que as rondas possam cobrir todas as ruas prioritárias. As calçadas e as placas da Rua do Senado foram melhoradas, assim como a iluminação.

(Jornal do Commercio)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *